4.6
( Sobre 5 )

A massagem para cães

Os objetivos principais das massagens para cães são:

  • Relaxão muscular

  • Aumento da flexibilidade

  • Aumento da circulação sanguínea

  • Melhoria do estado de saúde e conforto

Segurança

Devemos começar a massagem ao lado do cão, de forma a que ele nos veja sempre. Quando o cão confie mais em nós, podemo-nos pôr atrás dele, se o temos em cima de uma mesa; ou se pelo contrário damos a massagem no chão ou num colchão o melhor é seguir situados ao lado dele.

Nunca devemos forçar um animal a receber uma massagem. Se esta não for bem recebida desde o início ou se o estiver a incomodar devemos parar. Durante o decorrer da massagem devemos monitorizar a reação do animal. A massagem deve ser feita num lugar tranquilo, onde o animal esteja cómodo, longe de distrações e de outros cães. Devemos evitar objetos ou ruídos que distraiam a sua atenção ou o perturbem.

Contra-indicações

  • Nunca fazer massagens sobre uma ferida aberta

  • Nunca atuar sobre um cão em estado de choque

  • Não massajar cães com febre

  • Não massajar cães com infeções cutâneas

Avaliação inicial

Para a avaliação do cão devemos utilizar sempre a marcha. Com uma detalhada inspeção da marcha podemos determinar a carência, o comprimento da passada, como coloca o membro no chão, a curvatura do corpo, a posição das patas, a harmonia no movimento, o movimento da cabeça e da cauda.

Primeiro devemos observar o cão na sua globalidade e desde longe. Se observarmos alguma irregularidade aproximamo-nos dele, inspecionamos o segmento e comparamo-lo com o segmento paralelo.

Vemos alguma área com menos mobilidade ou mais tensa?

O cão está coxo de alguma pata?

A coluna move-se corretamente quando o cão anda ou se vira?

Coloca de igual forma as quatro patas no chão?

Caminha com a cabeça mais baixa que o normal para suportar o peso nos membros dianteiros?

Podemos fazer várias perguntas para determinar como atuar e construir um protocolo de massagem adequado a cada caso.

Há que ter em conta a atividade normal do cão e a que vai realizar ou realizou antes da massagem.

Começar a massagem

Não podemos ter um protocolo de massagem estabelecido para todos os cães. Devemos adaptar-nos a cada animal e nunca forçar uma técnica que não seja agradável para ele.

A função do dono é controlar o animal, e para isso é necessário interpretar as suas reações e adaptarmo-nos ao seu estado físico e mental.

Posicionar o massagista

A segurança do massagista é importante. Não devemos posicionar-nos à frente do cão para fazer uma massagem especialmente se este é dominante porque pode interpretar isso como uma agressão. Devemos situar-nos sempre ao lado do cão e começar por deixar que nos cheire, ganhando a sua confiança. Depois colocaremos a mão em cima com pouco movimento. Se o cão permitir podemos continuar a fazer festas e finalmente começar a massagem.

Posicionar o cão

O cão pode estar no chão, numa mesa, deitado, sentado ou em pé.

As manobras mais frequentes na massagens em cães são:

Roces leves e superficiais “Effleurage”
Esta é uma massagem muito adequada com uma técnica de introdução na qual se usam as mãos, os dedos ou as pontas dos dedos. Realizam-se leves toques na pele do cão sempre no sentido do coração para promover a circulação. Esta é a técnica que mais utilizaremos tanto no início como durante a rotina da massagem e no final da mesma.

Contacto passivo “Passive Touch”
Utilizam-se as mãos relaxadas em toda a sua extensão em cima de uma determinada zona do cão. Sentem-se as sensações que nos transmite essa zona e transmitimos sensações táteis ao cão.

Stroking
Esta técnica costuma utilizar-se para finalizar a massagem. Trata-se de sacudir ligeiramente, de maneira ordenada e com ritmo um segmento corporal e a musculatura implicada nesse segmento.

Amassamento
Utilizamos esta técnica sempre com um tecido que tenhamos trabalhado antes com outra técnica, como por exemplo o Effleurage. Começamos de forma suave e vamos aumentando a pressão. Posteriormente podemos atuar na musculatura mais profunda.

Percussão
Esta ténica é também utilizada depois de aquecer os tecidos previamente. É a técnica mais estimulante aplicada em animais. Dependendo do ritmo que apliquemos, esta terá um efeito de tonificação ou relaxação muscular. Esta técnica é sempre selectiva em grupos musculares muito concretos.


Equipa técnica da Ortocanis

ortocanis.com