Tag Archive for: Cães

Fisioterapia como tratamento alternativo na compressão da Cauda Equina

 

RESUMO

A cauda equina, é o conjunto de nervos e raízes nervosas que originam de L6 – L7 insutilizando o comboio posterior através dos nervos: Citártico, Obturador, Pudendo, Femoral e Pélvi.

Ao gerar um trauma a este nível, podem ocorrer compressões leves a graves, gerando na dor do paciente, claudicação dos membros traseiros, contração de toda a massa muscular, défice proprioceptivo, marcha ataxica, incontinência, entre outros sinais clínicos que irão orientar o Veterinário a estabelecer um tratamento médico adequado e no caso do fisioterapeuta, localizar as áreas de dor e melhorar o suporte ao peso, resistência, musculação (evitando o máximo de atrofia muscular), mobilidade articular e propriocepção.

O diagnóstico é feito por estudo radiológico e ressonância magnética da coluna vertebral ao nível da articulação lumbo-sacral, opções de tratamento

Consiste em: repouso em gaiola, alopático (NSAIDs, analgésicos, corticosteróides), homotoxicológico, fisioterapia e reabilitação, sendo uma excelente opção a sinergia entre o tratamento homotoxicológico e a fisioterapia (analgesia integral).

Este artigo apresenta o caso de um paciente de uma Pinscher, mulher, 10 meses, que é levada a consulta depois de ter sofrido um trauma por queda apresentando como sinais principais paraparasis, contração de toda a massa muscular em membros traseiros, défice proprioceptivo e marcha ataxia. Foi decidido realizar fisioterapia e reabilitação sem suspender o tratamento médico estabelecido desde o início, conseguindo reduzir o tempo de recuperação, melhoria do estado do doente, eliminação da causa da alteração física, alívio da dor, redução da inflamação e retoma da vida quotidiana.

Palavras-chave: compressão equina cauda, fisioterapia e reabilitação.

Interessado? Aqui está o artigo completo.

 

Angélica B. Ortega Vasquez

Colaborador Ortocanis.com

 

O que é o sistema proprioceptivo?

É o sistema pelo qual o cérebro recebe informações sobre a posição e o movimento das partes do corpo entre si e em relação à sua base de suporte. Isto é produzido através de uma série de recetores distribuídos por todo o corpo. A sensibilidade proprioceptiva é extraordinariamente importante na vida de relacionamento do cão.

No âmbito do exame de fisioterapia (musculoesquelético ou neurológico), o sistema proprioceptivo será sempre avaliado para ter uma referência e orientações para estabelecer o plano de tratamento. Às vezes, as mesmas técnicas que nos ajudam a valorizar o animal, servem-nos mais tarde para o reabilitar.

Reações posturais

  1. Reação posicional ou propriocepção consciente
    1. Coloque a face dorsal do membro em contacto com o chão. O animal deve retificar instantaneamente a posição normal.
    2. Coloque o membro do animal em rapto ou adução. Neste caso, também deve retificar instantaneamente para a posição inicial.
    3. Coloque uma folha de papel para que o cão apoie as almofadas. Mova a folha lateralmente nos membros torácicos e caudolateralmente para os membros pélvicos. Ao perceber o estímulo do movimento, é necessário reposicionar o membro corretamente.
  2. Hemistation
    1. Deve pegar nos membros de um hemibody e mover o animal para o lado oposto para ver se é capaz de suportar o equilíbrio.
    2. No caso de lesões músculo-esqueléticas, também é possível avaliar o membro afetado tomando apenas o membro oposto ou um dos anteriores e avaliando a reação de equilíbrio apresentada pelo animal (uniestación)
  3. Hemimarcha
    1. É exatamente o mesmo exercício que a hemestação apenas que o animal terá que mover-se sobre os dois membros.
  4. Teste de salto
    1. Segurando o animal e impedindo-o de suportar três dos seus quatro membros, mova-o lateralmente. Vais ter de fazer pequenos saltos.
  5. Teste de caminhão
    1. Faça-o mover-se com os membros torácicos segurando-o através da área pélvica. Faça-o com a cabeça do animal em posição elevada para evitar que procure onde colocar as mãos.
  6. Teste de reação de impulso postural extensor
    1. Pegue o animal pelas axilas na posição vertical e desça-o lentamente. Quando os membros traseiros tocarem o chão, vai estendê-los caudalmente num movimento de marcha, antecipando a deslocação.
  7. Reação visual e táctil
    1. Segurando o animal, ele se aproxima da borda de uma mesa até que ele toca nele. Devia colocar o seu membro na mesa imediatamente. Vamos avaliar a sensibilidade visual e proprioceptiva. Deve ser repetido cobrindo os olhos, para que valorizemos a sensibilidade táctil e proprioceptiva.

Equilíbrio na época e dinâmica

O equilíbrio do animal pode ser avaliado provocando algumas das reações posturais acima mencionadas ou criando desestabilizações do animal em estática e durante a caminhada.

Durante a caminhada pode tocar em pequenos lados para ver como reage. Se o animal tiver o seu equilíbrio correto, continuará a andar em linha reta sem modificar o seu estado ou o seu ritmo.

Coordenação

A coordenação pode ser avaliada através de círculos, oitos, subidas, descidas, mudanças de velocidade, diferentes terrenos com pequenas dificuldades pelo meio.

 

Escrita ortocanis

[email protected]

A capacidade de um cão se mover e realizar as suas atividades diárias depende da capacidade do cérebro, da coluna, dos nervos e dos músculos de coordenarem-se em conjunto.

Este complexo sistema de comunicação troca informações quando os nervos no cérebro enviam mensagens para o corpo sobre o ambiente exterior, e o corpo envia mensagens ao cérebro sobre o que está experimentando no ambiente. Estas mensagens são transmitidas através dos nervos da medula espinhal, que estão incrustadas na coluna vertebral ou na coluna. Juntos, os nervos do cérebro e da medula espinhal compõem o sistema nervoso central. O trauma em qualquer parte das vias nervosas pode levar a uma comunicação deficiente, ou uma total falta de comunicação entre o cérebro e o corpo, levando à incapacidade de coordenar os movimentos do corpo.

Silla de ruedas para perro

A coluna vertebral é composta por um conjunto de 24 ossos chamados vértebras, que são separados uns dos outros por pequenas almofadas chamadas discos intervertebral. Juntos, as vértebras e os discos intervertebral protegem a coluna vertebral de danos. O trauma nas vértebras ou discos pode criar vulnerabilidade nos nervos da medula espinhal, levando a novas perturbações para a via neural.

Quando um cão experimenta paralisia, é muitas vezes porque a comunicação entre a medula espinhal e o cérebro foi interrompida. Em alguns casos, o cão não é capaz de mover as pernas, um estado de paralisia total, e em outros casos, pode ainda haver alguma comunicação entre o cérebro e a coluna vertebral, e o cão só vai parecer fraco ou ter dificuldade em mover as pernas, uma condição conhecida como: paralisia parcial. Há também casos em que um cão pode ficar paralisado nas quatro pernas (tetraplégia), e em outros, o cão pode ser capaz de controlar o movimento em algumas das suas pernas, mas não em todas. Isto é determinado pela localização do trauma, ocorrendo no cérebro, espinha, nervos ou músculos.

Algumas raças são mais propensas que outras. Os cães que estão perto do chão com costas alongadas, como dachshunds e bassets, são geralmente afetados por ruturas de discos vertebrais, colocando pressão na medula espinhal, uma condição conhecida como doença do disco intervertebral. Algumas raças são geneticamente predispostas a uma condição chamada mielopatia degenerativa (MD), uma doença que ataca os nervos nas costas de cães mais velhos (mais de sete anos). É uma ação lenta, uma desordem progressiva que eventualmente leva à paralisia das patas traseiras. As raças afetadas por esta doença são o corgi galês, o pugilista, o pastor alemão, o recuperador de Chesapeake Bay e o setter irlandês.

Sintomas:

  • Não é capaz de mover as quatro pernas (tetraplégia)
  • Não é capaz de mover as patas traseiras (paraplegia)
  • Caminha com as pernas dianteiras enquanto arrasta as patas traseiras
  • Pode haver dor no pescoço, na espinha ou nas pernas.
  • Não posso urinar
  • Não é capaz de controlar a urina, a urina pingando
  • Não é capaz de controlar a defecação
  • Obstipação

Causas:

  • Mielopatia degenerativa canina (MD) – relacionada com o gene do pastor alemão, pugilista, corgi galês, recuperador de Baía de Chesapeake, dos 7 aos 14 anos; a causa é desconhecida
  • Deslizamento dos discos na parte de trás – doença do disco intervertebral
  • Espondiscite – infeção bacteriana ou viral nos ossos da coluna vertebral (vértebras)
  • Infeção ou inflamação da coluna vertebral
  • Destemperar
  • Meningomielite – infeção viral ou bacteriana do cérebro, levando à má comunicação dos impulsos nervosos
  • Polimiose – infeção ou inflamação nos músculos
  • Polineurite – inflamação dos nervos
  • Embolia – obstrução do fluxo sanguíneo para a espinha
  • Embolia aórtica – obstrução do fluxo sanguíneo para as pernas traseiras
  • Tumores ou cancro na espinha ou no cérebro
  • Paralisia do carrapato como resultado de picadas de carrapato
  • Febre da Montanha Rochosa
  • Botulismo – toxinas bacterianas
  • Myasthenia Gravis – fraqueza muscular severa
  • Embolia fibrocartilagina o fluido dentro de um disco ferido entra no sistema arterial e instala-se na medula espinhal, criando uma embolia permanente, ou bloqueio, é irreversível, mas não progressivo.
  • Hipotiroidismo – Baixo nível de tiroide
  • Lesão na coluna vertebral
  • Malformação da coluna vertebral ou vértebras

Diagnóstico:

Você precisará dar um histórico completo da saúde do seu cão, o aparecimento de sintomas e possíveis incidências que podem ter levado a esta condição, tais como picadas de carrapato, ou lesões recentes de saltar ou cair. Durante o exame físico, o seu veterinário prestará muita atenção ao quão bem o seu cão é capaz de mover as pernas, e como ele é capaz de responder a testes de reflexo. O veterinário também vai testar a capacidade do seu cão de sentir dor nas quatro pernas, controlo da cabeça, coluna e pernas para sinais de dor e alerta ao toque.Perro atropellado y rescatado por perrera de barcelona

Todas estas coisas ajudarão o seu veterinário a localizar o lugar na espinha do seu cão, onde nervos ou músculos estão com problemas. Os testes laboratoriais básicos incluem uma contagem completa de sangue, um perfil bioquímico e uma ópsia, que pode determinar se o seu cão tem uma infeção bacteriana, um vírus ou uma reação toxina, que está a interferir com as vias nervosas. Imagens de raio-X da coluna vertebral podem mostrar evidências de uma infeção, uma malformação das vértebras, ou uma hérnia discal que está pressionando contra a medula espinhal. Outras condições que podem levar à rutura das vias nervosas podem ser evidentes num raio-X, tais como tumores, obstruções ou nervos inflamados.

Em alguns casos, o seu veterinário pode encomendar um raio-X especial chamado mielograma. Este processo usa uma injeção com um agente de contraste (corante) na coluna vertebral, seguida de imagens de raio-X que permitirão ao médico ver a medula espinhal e as vértebras com mais detalhes. Se estas técnicas de imagem não forem úteis, o seu veterinário pode encomendar uma tomografia computorizada (TAC) ou uma ressonância magnética (Ressonância Magnética) do cérebro e da coluna do seu cão, ambas fornecem uma imagem muito detalhada. Em alguns casos, o seu veterinário pode recolher uma amostra do fluido em torno da coluna vertebral, para análise, ou amostra dos músculos ou fibras nervosas para uma biópsia. Estes testes podem determinar a presença de uma infeção no cérebro ou na coluna.

Tratamento:

O tratamento dependerá da causa da paralisia. Se o seu cão não conseguir andar, urinar ou defecar sozinho, provavelmente será internado no hospital enquanto o veterinário trabalhará para fazer um diagnóstico. A partir daí, o seu veterinário acompanhará a recuperação e o progresso do seu cão. Se o seu cão estiver com dores, será medicado para ajudar a controlar a dor, a bexiga é esvaziada várias vezes por dia por cateter, e seu cão será fisicamente movido para se certificar de que ele não recebe úlceras de ficar em um lugar por muito tempo. Existem vários produtos que o ajudarão a passar o tempo ainda sem ser danificado, como colchões. Se a causa da paralisia for uma infeção ou um disco hérnia, a circunstância será tratada com medicação, cirurgia ou terapia. Medicamentos anti-inflamatórios que podem ser naturais e específicos, como o imflamex , serão usados para reduzir a inflamação dos nervos. Tumores ou bloqueios de fluxo sanguíneo podem ser reparados cirurgicamente, dependendo da vulnerabilidade da localização. Alguns cães paralisados recuperam-se muito rapidamente. Dependendo da gravidade da doença, o seu cão pode ficar no hospital até que possa andar, ou o seu veterinário decidirá enviar o seu cão para casa com um guia para prestar cuidados e recuperação em casa. O seu veterinário irá estabelecer um plano para rever o progresso do tratamento do seu cão e ajustá-lo em conformidade.

vida e muito!

perro-rodilla-en-la-calleO seu veterinário vai ajudá-lo a fazer um plano para os cuidados do seu cão em casa. Ocasionalmente, o cão pode resistir aos cuidados devido à dor, mas os cuidados assertivos e suaves ajudarão a diminuir as reações do medo.

É importante que cuide bem do seu cão para que ele possa recuperar completamente. Siga cuidadosamente todas as instruções do seu veterinário. Se o seu veterinário tiver prescrito medicação, certifique-se de administrar todo o tratamento, mesmo depois de o seu cão parecer ter recuperado completamente. Na maioria dos casos, uma cadeira de rodas canina pode ser de grande ajuda, quer para o processo de reabilitação, quer como um simples meio de transportar a parte imóvel do animal. A maioria dos cães de cadeira de rodas adapta-se muito bem e continuam a desfrutar da sua vida.

Orthocanis

Ayudas para perros con artrosis

fonte:VenFido

Embora a genética seja a parte determinante da displasia em 99%, é a nutrição que é a parte mais importante. Uma vez diagnosticada displasia, não se pode fazer nada geneticamente, só tem de influenciar a nutrição e a fisioterapia. É simples assim.

Ensino-te cinco segredos-chave na nutrição para tornar a tua melhor amig@ a displasia mais suportável. Além de um Especialista em Nutrição Canina, não se esqueça de consultar também um em fisioterapia canina, pode ajudá-lo muito.

Nutrición Ortocanis

GRÃOS NA DIETA

Infelizmente, a grande maioria das dietas veterinárias comerciais para cães são más, porquê? Como têm muitos hidratos de carbono na forma de grãos e/ou cereais, fazem-no para reduzir custos, são mais baratos que a proteína animal, o nutriente de que o seu cão realmente precisa.

Os grãos dietéticos ou os cereais têm sido mostrados em cães para promover a secreção contínua e exagerada da insulina* assim como a inflamação articular. Lembro-vos que o vosso cão não tem fisiologia para dividir amidos, hidratos de carbono, isto é, grãos e cereais. É um carnívoro, não se esqueça, não o alimente como se fosse vaca ou frango.

GLICOSAMINOGLYCANS

Não entreem em pânico com o nome. São nutrientes que promovem a saúde das cartilagens. Os doentes com problemas de displasia (e artrite em geral) demonstraram que podem absorver compostos tóxicos ou substâncias, alguns dos quais afetam as articulações.

Como podemos diminuir isto? Se você der ao seu perr@ alguma cartilagem (rica em glicosaminoglycans) na dieta, estas são mal absorvidas e permanecem no lúmen intestinal.

Os glicosaminoglicanos são carboidratos complexos que têm a capacidade de aderir a algumas destas substâncias tóxicas na sua superfície enquanto estão no lúmen do intestino, e assim serem excretados nos excrementos sem passar para a corrente sanguínea e, portanto, impedir a sua chegada e implantação nas articulações.

Um substituto para cartilagem? Existem suplementos nutricionais baseados em glicosaminoglicanos, em suma, são mais práticos e vêm concentrados numa pílula. Existem muitas marcas no mercado: Cosequin, Sínodo, Hístato, Or oral Hyal…

ABAIXO OU ACIMA DO PESO?

Se eu tiver que escolher estar um pouco acima do meu peso, prefiro este último, e o mesmo se aplica ao meu cão.

Como Especialista em Nutrição Canina, este tema, o do peso, é um dos mais recorrentes. Os donos de filhotes de raças grandes e/ou molossianas (mastiffs, Rottweiler, siberianos, pastores, cães…) querem cachorrinhos “recheados” a crescer o máximo possível. Erro grosseiro.

Lembre-se, se você quer um cão saudável ortopeedicamente peso é chave (também se aplica a nós) Já viu lobos, leões ou hienas com excesso de peso na natureza?

Como sabe se o seu cão tem um peso apropriado? Os melhores aliados para isto são a visão e o toque. Recomendo que visite o seguinte link para que aprenda a determinar a condição corporal do seu cão.

OSSOS NA DIETA

Há muitos mitos na nutrição de cães, criados, acima de tudo, pela indústria alimentar de animais de estimação. Lembro-vos que o vosso cão é um carnívoro, todos os carnívoros comem ossos na natureza, alce, coelhos, todo o tipo de aves (como frango ou frango) e TODOS OS OSSOS, absolutamente todos, estilhaçam e não morrem!

Refresca a sua memória. Os alimentos comerciais (pellets) têm sido massivamente e generalizados nas últimas duas décadas. Antes de todos darem comida caseira (restos) incluindo ossos.

Osso é uma mina de vitaminas, gorduras e minerais da mais alta qualidade, não se esqueça que o osso é maioritariamente composto por minerais como cálcio, fósforo, flúor, magnésio… água e matéria orgânica, como o colagénio. Todos estes nutrientes são fundamentais para ossos e articulações, entre outros órgãos.

Por cima, não quero dizer que comeces a introduzir ossos na dieta sem saberes. OSSOS COZIDOS são os perigosos. As melhores dietas são caseiras, e se incluem ossos (RAW) ocasionalmente, melhor.

SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS

Se me for dada a escolha entre fornecer uma dieta de qualidade para um cão sem suplementos (as melhores dietas são bem feitas caseiras) ou uma dieta de má qualidade e um suplemento de qualidade, fico com o primeiro sem dúvida.

Agora, se eu puder escolher para o meu cão uma dieta caseira de qualidade, alternada com uma dieta comercial, também de qualidade, e adicionada com um suplemento específico para os seus problemas de displasia Bingo!

Com a chegada da nutrição oromoolecular (nutrientes específicos para situações específicas) e o avanço da ciência, muitos nutrientes aparecem que a nível molecular têm um impacto positivo no paciente com problemas de displasia.

Da vitamina E, bioflavonoides ao ómega três e enzimas. Há cada vez mais destes nutrientes para múltiplas situações. No que se refere ao assunto com o qual estamos a lidar, a displasia, seria algo que não deve ignorar e pedir conselhos a um especialista nesta matéria.

Carlos Alberto Gutierrez / Veterinário colabora com Ortocanis.com

A displasia do cotovelo é uma doença degenerativa muito comum em cães jovens. O cotovelo dos cães é uma das articulações mais congruentes e estáveis do corpo, permitindo, devido à sua complexidade, dois eixos ou graus de movimento supinação-pronação do antebraço e extensão da flexão. A sua complexidade é dada pela sua composição: articulação humeroradial, humeroulnar e, rádioulnar proximal.

A displasia do cotovelo foi inicialmente usada para descrever a não-união do processo anconeal (AUP). Atualmente, as dissecites osteocondrite (TOC) do condyle medial do úmero, o fragmento do processo coronóide (FPC) e, a incongruência do cotovelo (INC) também estão incluídas neste período. Quando um destes defeitos de ossificação ocorre num cotovelo, a inflamação origina e com o tempo é desencadeada uma osteoartrite na qual ocorre a degeneração da cartilagem; por isso, todas estas condições são geralmente associadas à osteoathrose desta articulação e são uma importante causa de dor e claudicação dos membros dianteiros em cães de raça grande e gigante, como o Pastor Alemão, Labrador, São Bernardo, Rottweiler, Mastiff napolitano, entre outros.

De origem genética multifatorial, especialmente em TOC e FPC. Afeta mais os machos do que as fêmeas e pode ocorrer uni-ou bilateralmente. A componente genética é a que tem maior influência embora, o aparecimento desta patologia também possa ocorrer devido a comida, peso, ambiente, qualidade dos ligamentos, muito exercício físico ou trauma.

Os primeiros sintomas podem ocorrer aos 4-5 meses quando o cão mostra intolerância ao exercício, mansidão ao iniciar um movimento ou após exercício prolongado. Há cães que não mostram sinais de afeição no cotovelo até idades avançadas onde o processo de osteoartrite é muito evoluído. Outros conseguem manter um grau normal de atividade ao longo das suas vidas.

O facto de fazer um diagnóstico radiológico prematuro permite estabelecer um tratamento adequado e evita a formação de osteoartrite que produz dor e limitação funcional do cotovelo ao longo da vida do animal. O diagnóstico pode ser complementado com testes de diagnóstico como TC ou Ressonância Magnética

A evolução depende do grau e tipo de lesão, mas geralmente é desfavorável sem cirurgia. O tratamento cirúrgico é bom se as alterações degenerativas na articulação ainda não ocorrerem. Em todo o caso, é necessário realizar uma boa reabilitação para:

  • Acelere o processo de recuperação
  • Eliminar dor e inflamação
  • Diminuir a mansidão
  • Manter e/ou melhorar a amplitude de movimento
  • Manter o tom muscular, a massa e a força
  • Minimizar ou abrandar os efeitos da degeneração articular – osteoartrite
  • Evite a compensação ao nível do pescoço, da coluna vertebral e das extremidades
  • Dar as capacidades máximas para que o animal esteja funcional e que, com uma boa qualidade de vida

O tratamento de fisioterapia varia consoante o animal e o estado da lesão. É importante começar o mais rapidamente possível com o tratamento para que seja eficaz e, para evitar secá-los como mobilidade reduzida e/ou dor crónica.

O animal passa por diferentes fases até à sua recuperação total. É essencial atingir gradualmente os objetivos fixados. O processo de recuperação é encerrado quando o animal é capaz de realizar atividades diárias.

Durante os primeiros três dias após a intervenção, é importante agir sobre a inflamação e a dor e prevenir a atrofia muscular e diminuir no arco articular. Para isso, são utilizadas técnicas passivas que reduzem a inflamação, produzem analgesia e ajudam a manter o tom, a massa e o arco da mobilidade. Entre estas técnicas estão a eletroterapia (TENS segmental e eletroestimulação muscular), massagem, mobilizações passivas e crioterapia (frio).

Nos cães ou cães mais velhos que não tenham sido intervencionados, os objetivos serão os mesmos que nos animais que passaram por uma intervenção. É importante eliminar a dor porque, com a dor não se pode trabalhar.

É importante desde o início para a massagem e mover o cotovelo afetado desde que não haja contraindicação veterinária e, respeitando em caso de fixação, o período de cura e união das partes fixas. Massajar e mover a área e o membro afetados ajuda a manter a mobilidade, evita a perda de massa e tom e trabalha os proprietários.

 

Uma mobilização suave combinada com diferentes técnicas de massagem ajudam a diminuir a inflamação e a reduzir a dor.

Com a TENS a nível segmental podemos produzir analgesia e diminuir a quantidade de fármacos administrados. Há animais que têm intolerância a certos fármacos que produzem analgésicos e com TENS a dor pode ser reduzida. O TenS também pode ser utilizado diretamente na área ferida ou operada, desde que não exista material de osteossíntese por baixo, uma vez que pode ocorrer uma queimadura interna.

A electroestimulação muscular ajuda a prevenir o aparecimento da atrofia e a manter a massa muscular e o tom. Com estímulos elétricos podemos estimular a condução nervosa.

No início e no fim da sessão é usado o frio, uma vez que tem propriedades que atuam na diminuição da resposta inflamatória, edema e dor.

A partir do quarto dia e durante as duas semanas seguintes, quando a inflamação e a dor desapareceram, é hora de introduzir exercícios ativos simples, como apertar as mãos ou pequenos passeios sobre uma trela para forçar o animal a fazer um suporte igual com os quatro membros e, assim, evitar que uma descompensação entre membros apareça por não ter um suporte correto no chão. Os passeios são um exercício que aumenta a duração até à recuperação total.

Uma vez removidos os pontos, o animal pode ser introduzido na água. As vantagens da água são usadas para melhorar a recuperação. A hidroterapia (esteira subaquática) facilita a estação do animal sem perda de equilíbrio e, graças à flutuação, sem ter de suportar todo o seu peso. Além disso, a flutuação permite que os animais com dor óssea e baixa massa muscular funcionem. A pressão da água exercida sobre o corpo do animal aumenta a sensibilidade e diminui as inflamações e os edemas. O trabalho na água, fitas subaquáticas ou natação aumenta à medida que o animal recupera. Além disso, com água, podemos recuperar o padrão motor, aumentar a massa, o tom e a força, trabalhar na capacidade respiratória e manter e/ou melhorar a mobilidade.

Uma vez que a fase aguda tenha passado de 48-72 horas e sem risco de infeção ou inflamação, pode ser introduzido
calor
que ajuda a elastificar os tecidos, diminui a dor e aumenta a vascularização entre outros.

A utilização de
placas
,
placas
,
bolas
e trampolins são importantes para trabalhar no equilíbrio, na propriocepção e, acima de tudo, na integração do membro afetado.

Já está na última fase, a partir de duas semanas, quando o cão integrou o padrão de marcha, são realizados exercícios para melhorar a qualidade de movimento. São exercícios ativos mais complexos para integrar o membro ou membros afetados. Com exercícios ativos e de propriocepção é possível aumentar o tom muscular, a massa e a força; coordenação e equilíbrio e amplitude de movimento são trabalhados. São utilizados trilhos com diferentes
superfícies, cones
,
barras
,
circuitos
, escadas e rampas para cima e para baixo (
escadaria com plano inclinado
).

Durante todo o tratamento de recuperação e em animais com osteoartrite desenvolvida é essencial reduzir o peso nas articulações dos cotovelos. Para o efeito
, são utilizados arneses de apoio especiais para cotovelos
. Além de diminuir o peso, a dor é reduzida e não dificulta o movimento, o animal sente-se mais confortável; a articulação está sempre protegida contra o desgaste e os golpes e ajuda a manter o calor que o animal emite, o que leva a um alívio da área afetada.

Em casa, deve ser tomado especial cuidado para os animais que sofrem de condições do cotovelo. Este cuidado é necessário durante e após o tratamento:

  • Evite pisos escorregadios
  • Evite rampas e escadas no início do tratamento em animais operados e em animais que fazem tratamento conservador. Uma vez reabilitadas, as rampas podem ser usadas
    para ajudar a entrar no sofá e no carro
    , uma vez que é recomendado que não o façam sozinhos, pode haver uma reincidência.
  • Recomenda-se que descansem em superfícies macias e limpas, mas que sejam firmes o suficiente para ajudar na incorporação do
    colchão térmico animal para cães
  • Mantenha a pele limpa e seca
  • Use
    placas especiais
    à sua altura para não esticar as articulações do cotovelo
  • Dieta correta e controlo de peso. O excesso de peso prejudica as articulações e gera mais dor para o animal

É muito importante criar uma rotina de exercício e ambiente para ajudar a manter o animal confortável e com qualidade de vida.

Equipa orocanisa

O frio é um dos elementos mais utilizados para o tratamento e prevenção de dores musculares e inflamações articulares ou de tecidos moles.

Após a cirurgia ou em casos de lesões nos tecidos moles, tais como tendinite ou lesões musculares, a aplicação do frio reduz a dor, previne a formação de inflamação excessiva e ajuda a resolvê-la se tiver aparecido.

bolsas-de-agua-caliente-o-hieloExistem vários estudos que falam sobre a eficácia do uso da crioterapia nos seus diferentes aspetos, aplicação de gelo, sacos de uso único de pacotes frios instantâneos, frios, dispositivos de neoprene para uso com pacotes frios ou gelo esmagado, imersão em água fria com cubos de gelo…

Todos têm as suas vantagens e desvantagens.

As técnicas que utilizam o gelo diretamente, ou a imersão em água fria têm o problema de molhar a pele do animal e transmitir demasiada humidade ao corpo do animal, além de que a água gelada que está apenas a tocar na pele do animal pode produzir queimaduras e irritações, em humanos é sempre recomendado colocar um pano entre a pele do paciente e o gelo.

Às vezes, nos cães pensamos que o seu próprio casaco é suficiente, mas podemos ter problemas com a água, muito frio, que está apenas tocando a pele do cão. Por isso, é melhor evitar este contacto direto.

Há equipamentos de “gelo seco” muito caros que são máquinas que emitem ar muito frio e são usadas em centros de reabilitação humana, especialmente em centros desportivos, baixam claramente a temperatura do tecido se molharem a pele e sem criar humidade ou irritação. O cabelo do cão pode ser um impedimento à penetração do frio deste tipo de dispositivos, este fator juntamente com o preço elevado fazem com que esta técnica praticamente não seja usada em cães.

O sistema de fixação é outro fator importante; existem no mercadobolsa-de-frio-instantaneosistemas de retenção muito bem desenhados que permitem ao cão até uma certa mobilidade sem que o gelo caia, é extremamente aconselhável usar correias ou outros sistemas de fixação mais evoluídos, uma vez que desta forma garantimos o contacto íntimo do gelo com a pele do cão e que este contacto durará enquanto o tratamento durar.

O tempo estimado de tratamento deve ser entre 15 e 20 minutos, os estudos mais recentes recomendam estes tempos, uma vez que são os que permitem manter durante um determinado tempo um tecido mais ou menos profundo, como uma cápsula articular do joelho a uma temperatura considerada terapêutica de 15ºC. Precisamente o joelho é uma das articulações onde mais gelo pode ser usado como um sistema de tratamento e um O dispositivo que fixa o gelo bem no joelho pode ajudar-nos muito a sermos mais eficazes. Se o tecido interno não cair para 15ºC, não estamos a aproveitar as possibilidades de crioterapia.

A mais recente novidade no tratamento da crioterapia é concordar com a compressão e a mais recente evolução da compressão é que está a alternar. Existe apenas uma máquina no mercado que fornece estes dois componentes, crioterapia e compressão intermitente num único dispositivo, o sistema de frio e compressão.

Equipa Técnica de Orthocanis

Baner silla 728x90

É um dos instrumentos mais utilizados na fisioterapia. É um dispositivo que emite ondas acústicas de frequências muito mais altas do que as audíveis pelos humanos. A frequência utilizada como ferramenta terapêutica é 1×106 Hertz, ou seja, 1 Mega-Hertz (MHz), pelo que não são audíveis por nenhum mamífero.
Normalmente em clínicas veterinárias e hospitais, a ecografia é usada para ecografias que usam o mesmo tipo de onda. A diferença é o tempo de potência, frequência e aplicação.
Na terapêutica utilizamos frequências de 1MHz para tratamentos profundos, até 8 cm e frequências de 3MHz para problemas mais superficiais. A potência varia entre 0,2 e 3 Watts /quadrados.

Efeitos nos tecidos:

O principal efeito do ultrassom nos tecidos é anti-inflamatório. Normalmente usamo-lo em tendões, articulações ou músculos inflamados; tem excelentes resultados tanto em lesões agudas como em lesões crónicas, embora tenhamos de ajustar os poderes.

O efeito analgésico é outro dos mais procurados na reabilitação, normalmente quando esvaziamos uma estrutura conseguimos reduzir a pressão nos nociceptores que são os recetores no corpo que enviam os sinais dolorosos, reduzindo a pressão nestes recetores, reduzimos a sua estimulação e, portanto, diminuímos a intensidade dos sinais que enviam até desaparecerem. Se não há sinal de dor, não há perceção.

soporte para perro con displasia de caderaQuando temos uma fibrose nos diferentes tecidos moles: músculos, tendões ou ligamentos, podemos aplicar ultrassons contínuos e, em seguida, pulsar à máxima potência. Assim encontraremos um bom efeito dedesfibrador.

Outra das aplicações clássicas da ecografia é a aplicação em contraturas musculares, com ecografia que podemos reduzir e até eliminá-las.

A ecografia contínua gera calor pela vibração das moléculas e tanto a pulsação como o aumento contínuo da permeabilidade da membrana, que é o que favorece juntamente com a mobilização das moléculas o efeito anti-inflamatório.

Aplicação:

A ecografia deve ser aplicada movendo a cabeça todo o tempo que o tratamento dura, fazendo círculos pequenos ou seguindo a direção dos tecidos tratados de forma retilíssima. Se não o fizermos, especialmente em modo contínuo, podemos danificar tecidos e produzir queimaduras significativas.
É necessário utilizar um meio de contacto, quer contacte gel , quer diretamente em imersão direta (ultrassom subaquático).
Também é importante ter em conta o pelo do animal, o que dificulta a transmissão da ecografia e, portanto, é muito interessante poder barbear o cão antes de aplicar a sessão de ecografia.perro-multimedia-600x300_6

Tempo aproximado entre 5 e 15 minutos
Potência entre 0,2 e 3 Wats/cm2
Existem diferentes medidas na cabeça dependendo das necessidades.

Trajeto:

As ecografias podem ser usadas em qualquer patologia do cão que ocorra com dor nas articulações ou nos tecidos moles, tais como tendinite, bursite, artrite, hematomas ou hematomas graves.

Também podemos usar ultrassom em problemas crónicos como displasia da anca, displasia do cotovelo, osteoartrite do joelho ou osteoartrite da anca.

Todas as intervenções cirúrgicas produzem uma inflamação dos tecidos que foram operados, a ecografia é uma ferramenta muito boa para controlar a inflamação e problemas pós-cirúrgicos, como a rutura do ligamento cruzado craniano, a deslocação da patela ou outros.

Equipa Técnica de Orthocanis

Baner silla 728x90

 

Os proprietários muitas vezes se perguntam se devem abrigar os seus animais de estimação no inverno, esta questão ao mesmo tempo vem com muitos outros deste tipo:

Os cães já não têm cabelo suficiente?
É um pouco ridículo?
Depende da raça?
Depende da área?

É normal em cães pequenos que são mais frios e tolos em cães de raça grande e especialmente com cabelos compridos?

Todas estas questões podem ter mais do que uma resposta, mas, em geral, devemos abrigar cães no inverno, especialmente se estivermos em zonas frias.

Cães mais velhos são mais propensos a sofrer de frio do que cães mais jovens, que têm mais vitalidade. Cães mais velhos, especialmente com problemas como a osteoartrite, sofrem muito com a descida das temperaturas, temos de fazer algo para proteger os cães com osteoartrite do frio.
Os cães de raças pequenas são mais propensos ao frio do que os grandes, por isso devem ser mais quentes.
Existem algumas raças grandes que são muito propensas a sofrer frio e têm um momento muito mau especialmente cães de cabelo curto, como galgos.
A quantidade de influências capilares, não abrigaremos um cão nórdico numa cidade mediterrânica, mas talvez sim, se formos à neve a temperaturas abaixo de zero e não fizermos atividade física.

Quanto ao ridículo é muito elegível, eu poderia estar mais envergonhado de ver o cão tremer e não fazer nada para ajudá-lo.abrigo-para-perro
Os cães idosos são muito gratos por um cobertor no inverno, e mesmo em tempos mais quentes se sofrem de osteoartrite na espinha ou nas ancas, as típicas displasias da anca de Golden, Pastor Alemão… melhoram muito com cobertores térmicos especiais. No inverno, especialmente se os cães vivem em áreas frias, ou muito húmidas ou montanhosas, quando não queremos que os cães se molhem nas suas saídas, podemos usar cobertores impermeáveis que também protegem os músculos e articulações das inclemenidades do tempo.

Em resumo, se temos um cão de raça pequena ou uma raça grande com cabelo curto, ou um animal idoso em qualquer uma das suas raças e tamanhos , devemos protegê-lo no inverno.

 

Equipa Técnica de Orthocanis

Baner silla 728x90

TENS é o acrónimo para (estimulação elétrica transcutânea), que significa estimulação elétrica transcutânea. É a corrente elétrica mais usada na analgesia pela sua segurança, pelo seu conforto para o paciente e pelos seus excelentes resultados.

Para a sua correta aplicação, temos de ter em conta os seguintes parâmetros: De 3-4Hz (até 10) e alta amplitude de 250μs ou mais, agiremos no estímulo da secreção das endorfinas.

O dispositivo deve funcionar entre 25 e 30 minutos com uma intensidade muito alta, devemos ver claramente as contrações musculares. O efeito pode chegar até 24 horas. De 10-20Hz e uma amplitude aproximada de 250μs estaremos a gerar uma recreação muscular, aumento do troféu muscular.

pack-tens-para-perros

Trabalhávamos cerca de 15 a 20 minutos com uma intensidade média, vendo alguma contração muscular.

Entre 80 e 100Hz e uma amplitude de 100-150μs estaríamos a trabalhar da forma ideal para tratar a dor localizada num joelho, cotovelo, etc… é o que chamamos de “TENS convencional”. Neste caso e para fazer a “seedação” local temos de trabalhar pelo menos 20 minutos e podemos deixar as Tens até algumas horas. A intensidade é baixa, sem fasciculações ou contrações na pele e o efeito é curto a partir do final da aplicação.

Temos de monitorizar “o hábito”, aumentar regularmente a intensidade ou modificar ligeiramente a amplitude sem sair dos parâmetros. Existem dispositivos que permitem uma modulação de amplitude que diminui o hábito.

Para tratar de acordo com a “dor localizada” colocamos os elétrodos na área da dor, independentemente do tecido que está sob os elétrodos, pelo contrário para tratar cães que procuram o efeito da “estimulação das endorfinas” devemos colocá-los em feixes de grandes grupos musculares, uma vez que vamos estimular a musculatura à procura da contração deste e será muito mais confortável e eficaz se o fizermos num grande feixe muscular.

Quando temos de alcançar contrações musculares, colocaremos um elétrodo proximal e outro distal, mas dentro do grupo muscular queremos tratar. Não coloque o vermelho “positivo” e o preto “negativo” sempre no mesmo local, mas simétrico e nunca cruzado. Para utilização em cães, recomendamos elétrodos de borracha e gel de contacto, uma vez que os elétrodos de silicone, amplamente utilizados em humanos, perderão a sua capacidade adesiva e parte da condutividade muito rapidamente.

Existem pacotes completos no mercado para realizar eletroestimulação em cães.

Veja o vídeo da eletroterapia em cães

Toni Ramon
Baner silla 728x90

Atividade física em cães mais velhos

 

Para começar, temos de deixar um aspeto claro: “a idade não é uma doença“… cães de uma certa idade podem e devem fazer atividade física, sim, adaptados às suas possibilidades.

As possibilidades de cada cão e as suas características variam desde a idade, (claro que um cachorrinho não é o mesmo que um cão de 16 anos), raça, sexo… mas também aspetos modificáveis como a condição física, o “humor do cão”, as patologias traumatológicas, reumatológicas ou neurológicas, o seu estado geral de saúde (aspetos relacionados com a medicina interna)…

Os cães devem fazer atividade física toda a sua vida, os filhotes devem correr, saltar, brincar com outros cães, subir encostas, saltar margens, cães adultos de 2 anos podem praticar desportos caninos ou acompanhar o seu dono em passeios de bicicleta, nas montanhas ou correr com o seu dono…

Em cães de grandes raças: pastores alemães, dourados, labrador… A partir dos 9 aos 10 anos temos de começar a controlar a sua atividade física, mas em nenhum caso a suprimir.Perros ancianos, viejos o con discapacidades físicas

Se tivermos um bom veterinário, é aconselhável fazer algum raio-X de controlo se observarmos uma ligeira mansidão ou cansaço prematuro. Por vezes, os cães param nas suas marchas ou corre devido a problemas articulares e podemos confundi-lo com fadiga atribuindo erradamente a renúncia da longa caminhada à fadiga física e não à dor nas articulações.

Existem numerosas ajudas técnicas e ortóteses no mercado, cotovelo, joelho, ombro, carpo, tarso… que podemos usar em cães mais velhos para melhorar o seu estado articular e permitir-lhes continuar com a sua atividade física de forma confortável.

É aconselhável, então, se observarmos uma “desaceleração” no “desempenho desportivo” do cão ou na sua atividade física para ir ao veterinário e não associá-lo diretamente com a idade, uma vez que muitas coisas podem ser feitas para melhorar este estado comum e adaptar a atividade física que contribuirá para a melhoria da sua saúde geral e do seu humor em particular.

Toni Ramon

www.ortocanis.com