Paralisia em cães

, ,

A capacidade de um cão se mover e realizar as suas atividades diárias depende da capacidade do cérebro, da coluna, dos nervos e dos músculos de coordenarem-se em conjunto.

Este complexo sistema de comunicação troca informações quando os nervos no cérebro enviam mensagens para o corpo sobre o ambiente exterior, e o corpo envia mensagens ao cérebro sobre o que está experimentando no ambiente. Estas mensagens são transmitidas através dos nervos da medula espinhal, que estão incrustadas na coluna vertebral ou na coluna. Juntos, os nervos do cérebro e da medula espinhal compõem o sistema nervoso central. O trauma em qualquer parte das vias nervosas pode levar a uma comunicação deficiente, ou uma total falta de comunicação entre o cérebro e o corpo, levando à incapacidade de coordenar os movimentos do corpo.

Silla de ruedas para perro

A coluna vertebral é composta por um conjunto de 24 ossos chamados vértebras, que são separados uns dos outros por pequenas almofadas chamadas discos intervertebral. Juntos, as vértebras e os discos intervertebral protegem a coluna vertebral de danos. O trauma nas vértebras ou discos pode criar vulnerabilidade nos nervos da medula espinhal, levando a novas perturbações para a via neural.

Quando um cão experimenta paralisia, é muitas vezes porque a comunicação entre a medula espinhal e o cérebro foi interrompida. Em alguns casos, o cão não é capaz de mover as pernas, um estado de paralisia total, e em outros casos, pode ainda haver alguma comunicação entre o cérebro e a coluna vertebral, e o cão só vai parecer fraco ou ter dificuldade em mover as pernas, uma condição conhecida como: paralisia parcial. Há também casos em que um cão pode ficar paralisado nas quatro pernas (tetraplégia), e em outros, o cão pode ser capaz de controlar o movimento em algumas das suas pernas, mas não em todas. Isto é determinado pela localização do trauma, ocorrendo no cérebro, espinha, nervos ou músculos.

Algumas raças são mais propensas que outras. Os cães que estão perto do chão com costas alongadas, como dachshunds e bassets, são geralmente afetados por ruturas de discos vertebrais, colocando pressão na medula espinhal, uma condição conhecida como doença do disco intervertebral. Algumas raças são geneticamente predispostas a uma condição chamada mielopatia degenerativa (MD), uma doença que ataca os nervos nas costas de cães mais velhos (mais de sete anos). É uma ação lenta, uma desordem progressiva que eventualmente leva à paralisia das patas traseiras. As raças afetadas por esta doença são o corgi galês, o pugilista, o pastor alemão, o recuperador de Chesapeake Bay e o setter irlandês.

Sintomas:

  • Não é capaz de mover as quatro pernas (tetraplégia)
  • Não é capaz de mover as patas traseiras (paraplegia)
  • Caminha com as pernas dianteiras enquanto arrasta as patas traseiras
  • Pode haver dor no pescoço, na espinha ou nas pernas.
  • Não posso urinar
  • Não é capaz de controlar a urina, a urina pingando
  • Não é capaz de controlar a defecação
  • Obstipação

Causas:

  • Mielopatia degenerativa canina (MD) – relacionada com o gene do pastor alemão, pugilista, corgi galês, recuperador de Baía de Chesapeake, dos 7 aos 14 anos; a causa é desconhecida
  • Deslizamento dos discos na parte de trás – doença do disco intervertebral
  • Espondiscite – infeção bacteriana ou viral nos ossos da coluna vertebral (vértebras)
  • Infeção ou inflamação da coluna vertebral
  • Destemperar
  • Meningomielite – infeção viral ou bacteriana do cérebro, levando à má comunicação dos impulsos nervosos
  • Polimiose – infeção ou inflamação nos músculos
  • Polineurite – inflamação dos nervos
  • Embolia – obstrução do fluxo sanguíneo para a espinha
  • Embolia aórtica – obstrução do fluxo sanguíneo para as pernas traseiras
  • Tumores ou cancro na espinha ou no cérebro
  • Paralisia do carrapato como resultado de picadas de carrapato
  • Febre da Montanha Rochosa
  • Botulismo – toxinas bacterianas
  • Myasthenia Gravis – fraqueza muscular severa
  • Embolia fibrocartilagina o fluido dentro de um disco ferido entra no sistema arterial e instala-se na medula espinhal, criando uma embolia permanente, ou bloqueio, é irreversível, mas não progressivo.
  • Hipotiroidismo – Baixo nível de tiroide
  • Lesão na coluna vertebral
  • Malformação da coluna vertebral ou vértebras

Diagnóstico:

Você precisará dar um histórico completo da saúde do seu cão, o aparecimento de sintomas e possíveis incidências que podem ter levado a esta condição, tais como picadas de carrapato, ou lesões recentes de saltar ou cair. Durante o exame físico, o seu veterinário prestará muita atenção ao quão bem o seu cão é capaz de mover as pernas, e como ele é capaz de responder a testes de reflexo. O veterinário também vai testar a capacidade do seu cão de sentir dor nas quatro pernas, controlo da cabeça, coluna e pernas para sinais de dor e alerta ao toque.Perro atropellado y rescatado por perrera de barcelona

Todas estas coisas ajudarão o seu veterinário a localizar o lugar na espinha do seu cão, onde nervos ou músculos estão com problemas. Os testes laboratoriais básicos incluem uma contagem completa de sangue, um perfil bioquímico e uma ópsia, que pode determinar se o seu cão tem uma infeção bacteriana, um vírus ou uma reação toxina, que está a interferir com as vias nervosas. Imagens de raio-X da coluna vertebral podem mostrar evidências de uma infeção, uma malformação das vértebras, ou uma hérnia discal que está pressionando contra a medula espinhal. Outras condições que podem levar à rutura das vias nervosas podem ser evidentes num raio-X, tais como tumores, obstruções ou nervos inflamados.

Em alguns casos, o seu veterinário pode encomendar um raio-X especial chamado mielograma. Este processo usa uma injeção com um agente de contraste (corante) na coluna vertebral, seguida de imagens de raio-X que permitirão ao médico ver a medula espinhal e as vértebras com mais detalhes. Se estas técnicas de imagem não forem úteis, o seu veterinário pode encomendar uma tomografia computorizada (TAC) ou uma ressonância magnética (Ressonância Magnética) do cérebro e da coluna do seu cão, ambas fornecem uma imagem muito detalhada. Em alguns casos, o seu veterinário pode recolher uma amostra do fluido em torno da coluna vertebral, para análise, ou amostra dos músculos ou fibras nervosas para uma biópsia. Estes testes podem determinar a presença de uma infeção no cérebro ou na coluna.

Tratamento:

O tratamento dependerá da causa da paralisia. Se o seu cão não conseguir andar, urinar ou defecar sozinho, provavelmente será internado no hospital enquanto o veterinário trabalhará para fazer um diagnóstico. A partir daí, o seu veterinário acompanhará a recuperação e o progresso do seu cão. Se o seu cão estiver com dores, será medicado para ajudar a controlar a dor, a bexiga é esvaziada várias vezes por dia por cateter, e seu cão será fisicamente movido para se certificar de que ele não recebe úlceras de ficar em um lugar por muito tempo. Existem vários produtos que o ajudarão a passar o tempo ainda sem ser danificado, como colchões. Se a causa da paralisia for uma infeção ou um disco hérnia, a circunstância será tratada com medicação, cirurgia ou terapia. Medicamentos anti-inflamatórios que podem ser naturais e específicos, como o imflamex , serão usados para reduzir a inflamação dos nervos. Tumores ou bloqueios de fluxo sanguíneo podem ser reparados cirurgicamente, dependendo da vulnerabilidade da localização. Alguns cães paralisados recuperam-se muito rapidamente. Dependendo da gravidade da doença, o seu cão pode ficar no hospital até que possa andar, ou o seu veterinário decidirá enviar o seu cão para casa com um guia para prestar cuidados e recuperação em casa. O seu veterinário irá estabelecer um plano para rever o progresso do tratamento do seu cão e ajustá-lo em conformidade.

vida e muito!

perro-rodilla-en-la-calleO seu veterinário vai ajudá-lo a fazer um plano para os cuidados do seu cão em casa. Ocasionalmente, o cão pode resistir aos cuidados devido à dor, mas os cuidados assertivos e suaves ajudarão a diminuir as reações do medo.

É importante que cuide bem do seu cão para que ele possa recuperar completamente. Siga cuidadosamente todas as instruções do seu veterinário. Se o seu veterinário tiver prescrito medicação, certifique-se de administrar todo o tratamento, mesmo depois de o seu cão parecer ter recuperado completamente. Na maioria dos casos, uma cadeira de rodas canina pode ser de grande ajuda, quer para o processo de reabilitação, quer como um simples meio de transportar a parte imóvel do animal. A maioria dos cães de cadeira de rodas adapta-se muito bem e continuam a desfrutar da sua vida.

Orthocanis

Ayudas para perros con artrosis

fonte:VenFido
0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


+ 9 = 11