Como tratar a deslocação da patela em cães?

,

Falamos da deslocação da patela nos cães, quando a patela, um pequeno osso localizado em frente à articulação do joelho e que a sua posição correta é necessária para um bom funcionamento do membro do animal, deixa o seu local, trochlea, causando dor e fraqueza funcional no cão.

Entre deslocações, a deslocação medial é a mais frequente. Surge em 80% dos casos, enquanto o lateral ocorre apenas em 20%. Entre 30% e 50% dos casos são bilaterais e mais frequentes nas fêmeas do que nos machos, especialmente pequenas raças e brinquedosprotector-rodilla-canina-perro articulada

Deslocações laterais podem ocorrer em pequenas raças adultas e em filhotes de raças grandes e gigantes.

É uma patologia que se caracteriza por um desalinhamento do membro, deformações ocorrem durante o desenvolvimento do animal, que fazem com que o rótulo caia do lugar. Pode ser devido a uma doença congénita ou, em alguns casos, causada por trauma.

É conveniente que os cães que sofrem desta patologia congénita não sejam usados na reprodução, uma vez que é transmitido através das gerações.

Há cães que deslocaram a patela devido a trauma. Nestes casos, a deslocação é geralmente associada a uma rutura do ligamento cruzado anterior do joelho.

Dependendo dos sinais clínicos e posteriormente dos resultados radiológicos, as deslocações podem ser classificadas em 4 graus:

patellar lux_fGrau I – Deslocação intermitente da patela causando a falta do membro quando está fora do lugar. No exame dinâmico, a cada três ou quatro passos levantam a perna dobrando o joelho ou fazendo um pequeno salto.

Grau II – Deslocação que ocorre com mais frequência do que no Grau I. A rótula se luxa facilmente. Há uma ligeira rotação externa da perna. Muitos cães vivem com este diploma durante anos antes da artrite progressiva e manifestam causas mais fracas ou mais graves.

Grau III e IV – A rótula está permanentemente deslocada, com uma rotação externa muito visível da perna. Há uma mansidão moderada. Se for bilateral, os cães caminham com as pernas curvadas, virando os pés para dentro e carregando o peso nos membros dianteiros. Nos casos mais graves pode ser confundido com problemas na anca.

Além disso, o animal apresenta dor, crepitações e sensação aumentada no joelho, o que o leva a diminuir a sua atividade, recusando mesmo subir e descer escadas, do carro ou do sofá.

O tratamento depende do grau de deslocação e de mansidão, mas na maioria dos casos é necessário um tratamento cirúrgico que consiste em reparação de tecidos moles, reconstrução óssea ou uma combinação dos dois. Existem técnicas infinitas e o traumatologista veterinário escolhe o mais indicado em cada caso.

luxación de rótula

Entre as técnicas mais usadas encontramos: Superposição da retina medial ou lateral, sobreposição da fáscia lata, sutura anti-rotação dos ligamentos patelar e tibial, desmotomia/cápsulactomia, libertação de quadriceps, trocleoplastia (condroplastia trochlear, ressecção de sulcocoplastia, sulcoplastia trochlear), transposição da tuberosidade tibial, patelectomia, osteotomia…

Como novidade, as ortóteses estão sendo aplicadas para a deslocação do joelho como um meio de tratamento ortopédico conservador que permite manter a patela dentro dos condyles femorais e evitar dor e instabilidade. Estas ortóteses são feitas à medida e são muito úteis nos casos em que a cirurgia falhou, não pode ou não quer operar por diferentes razões.

Marta Subirats & Toni Ramon

Fisioterapeutas animais

Equipa Técnica de Orthocanis

Baner silla 728x90

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


+ 6 = 8