Manobras da massagem para cães III

Pressão

Nesta técnica devemos colocar o dedo polegar ou um nó dos dedos sobre uma estrutura muscular e pressionar mantendo o nível de força durante um curto espaço de tempo. Pode aplicar-se esta técnica em contraturas musculares ou zonas espasmódicas mantendo a pressão até notar que o tecido cede.

Nos cavalos é muito útil usar o cotovelo para realizar esta manobra: neste caso seria necessário colocar-se a uma certa altura para se chegar comodamente à zona a tratar. Nos cães é, normalmente, suficiente utilizar as palmas das mãos ou até os dedos. Podemos estar no chão ao lado do cão, ou se ele for pequeno e tranquilo podemos colocá-lo numa cama.

Efeitos metabólicos:

  • Antálgico
  • Combate o espasmo
  • Tem efeitos descongestionantes
  • Descontraturante
  • Relaxação e sedação dos "trigger points"

As pressões são uma técnica simples, mas muito útil em cães. Não requerem o uso de força excessiva e são muito bem toleradas pela maioria dos cães.

Nesta técnica aplicam-se pequenos beliscos na pele, puxando-a e largando-a. O resultado principal é a produção de hiperemia na zona (aumento da circulação sanguínea a nível superficial). Esta técnica pode ser útil em tecidos concretos e zonas perto de saliências ósseas onde as técnicas mais clássicas como o roce não funcionam tão bem.

Stroking

Utiliza-se normalmente para finalizar a massagem. Trata-se de sacudir ligeiramente, de maneira ordenada e com ritmo um segmento corporal e a musculatura que esta implica.

Aplica-se num membro distal, anterior ou posterior ou até a partir do pescoço ou da alcatra do cão.

O mais habitual é segurar a pata do cão por baixo do carpo ou tarso e iniciar um movimento vaivém de forma ordenada com uma deslocação relativamente pequena. Não se trata de mover muito a pata do cão, mas de exercer um movimento sincronizado com as mãos de centímetros, uma onda que se transmita por todo o corpo do animal.

ortocanis.com