Tag Archive for: Canino

A displasia da anca é um problema muito comum em certas raças: BullDog, Bordeaux Doge, St. Bernard, Napolitan Mastiff, German Shepherd, Rottweiler, Golden… todos têm uma incidência superior a 20%.

A displasia é uma doença multifatorial, multigénica e hereditária, ou seja, existem vários fatores que predispõem e causam displasia da anca, existem vários genes envolvidos na sua aparência e tem um caráter hereditário.

Os fatores ambientais estão a tornar-se cada vez mais importantes no desenvolvimento da displasia da anca, o fator genético é necessário para desenvolver a doença, mas este não é o único fator. A genética é um fator necessário, mas não exclusivo, ou seja, pode ter a predisposição genética e não desenvolver a doença, mas se não tiver uma predisposição, tem a certeza de que não se desenvolve.

Existem vários graus de displasia, e também aqueles que aparecem quando o cão é um cachorrinho ou aqueles que dão problemas já na idade adulta; mas neste artigo vamos focar-nos no tratamento e especificamente no tratamento da displasia a cães jovens.

Classificação dos graus de displasia de acordo com a OFA:

Grau I: alteração mínima com pequena subluxação e poucas alterações degenerativas.

Grau II: subluxação lateral marcada da cabeça femoral, 25-50% dos quais fora do acetábulo.

Grau III: 50-75% da cabeça femoral está fora do acetábulo; há mudanças degenerativas importantes.

Grau IV: deslocação da cabeça femoral com achatamento da borda acetabular e da cabeça femoral; há grandes mudanças degenerativas.

A apresentação no jovem cão é de radiografia da anca do filhote normalmente entre 5 e 6 meses e é marcada por um coxear significativo.

Um cão não é considerado livre de displasia até que aos dois anos de idade já não tenha sido observado nenhum problema ou inconsistências nos raios-X de controlo.

Os alimentos são um dos fatores que predispõem ao aparecimento da displasia da anca, desequilíbrios cálcio-fósforo que devem manter uma correlação Ca1,6% – P1,1% e acima de tudo não alimentar excessivamente ou fornecer proteínas em excesso permite-nos minimizar a incidência de displasia da anca. Uma dieta hipocalórica de 3 meses a 8 meses protege os cães com rápido crescimento da displasia. O excesso de peso aos 60 dias é outro fator que predispõe à doença.

A displasia da anca no cachorrinho geralmente se estreia a partir de 5 ou 6 meses, antes que não seja possível observar qualquer problema e o cão foi completamente normal e desenvolveu-se normalmente. A estreia é geralmente apresentada como um coxear afiado que impede o cão de jogar como tinha feito até à data. Podemos observar mudanças no desejo de jogar, negativas quando vamos dar um passeio, para nos relacionarmos com outros cães ou proprietários. Mudanças de humor, deslizes frequentes das patas traseiras, desconforto e até recusa em ser tocado e o facto de “fugir” de crianças em cães que até há alguns dias eram brincalhões e afetuosas são frequentes.

Às vezes, quando se atinge 90% do crescimento entre 8 e 11 meses, os sinais podem ser reduzidos e até desaparecer. De qualquer forma, a displasia permanece e em muitos casos os problemas reaparecem passado algum tempo e mais cedo do que mais tarde sinais de osteoartrite aparecem nas ancas.

Os sinais clínicos mais comuns são:

Lameness que pode aumentar com exercício

Andar e correr com balanço da anca

Rigidez matinal

Dificuldade em levantar-se

Atrofia muscular

Recusa de movimento

Mudanças de humor

Dor na palpação

Sinal de Ortolani.

Embora existam métodos cirúrgicos: excisão do músculo pectinus, osteotomia tripla da anca, artroplastia da cabeça femoral, osteotomia do púbis, forragem, próteses da anca a maioria são praticadas quando o cão é jovem para supostamente diminuir a possibilidade de osteoartrite secundária na idade adulta. A prótese da anca deve ser reservada para casos graves e uma vez terminado o crescimento.

O tratamento médico baseia-se em anti-inflamatórios, podemos começar com anti-inflamatórios naturais, como o inflamação, que não contém substâncias medicinais, se não obtivermos os resultados esperados para a Aine e em casos extremos os corticos são recorridos. Temos de incluir os nutraceuticais, especialmente os condroprotectores, uma vez que reduzem a incidência da osteoartrite e protegem a cartilagem articular. Estes são usados em cães seniores de uma forma muito geral, mas são muito úteis como um protetor conjunto em cães de cultivo, existem portadores específicos de drogas para cães jovens. Redução de peso, exercício moderado e acima de tudo regular são outros pontos básicos, bem como melhorias no ambiente e o facto de dormir num colchão especial para cães mais velhos e num local quente longe da humidade.

A fisioterapia canina pode ajudar muito a desenvolver melhor os músculos para reduzir a dor, para desenhar tensões e eliminar compensações que o cão fez com as posturas erradas e posições antiálgicas. Isto será baseado em TENS, ultrassom, exercícios terapêuticos, uso de hidroterapia, laser, ondas de choque…

A principal melhoria no ambiente é dormir em um bom colchão terapêutico, não estar frio ou exposto a muita humidade, para usar no inverno um casaco térmico para cães, para ser capaz de ser um cobertor canino terapêutico que pode ser usado durante todo o ano.

Podemos ajudar a nossa Cão com displasia da anca, o exercício físico regular pode ser muito útil para melhorar a massa muscular que resiste melhor à congruência articular pobre, evite impactos, saltos ou corridas descontroladas durante a apresentação da imagem são também elementos importantes. Fisioterapia e massagens permitem ter sempre o cão em estado muscular correto, e todos os tratamentos adjuvantes como acupuntura, massagens, reiki, flores de bach… também podem ajudar no tratamento. A novidade são os suportes para a anca que ajudam a estabilizar a pélvis, dar apoio e melhorar muito a qualidade de vida dos nossos animais de estimação.

Toni

Equipa Ortocanis.com

Deformação da Espondilose em Cães

DEGENERAÇÃO DA ESPINHA EM CÃES

A deformação da espondilose é uma doença degenerativa e não inflamatória da coluna vertebral, caracterizada pela produção de esporas ósseas na parte inferior, laterais e superior das vértebras da coluna vertebral. Estas esporas são simplesmente causadas por crescimentos ósseos, geralmente crescendo em resposta ao envelhecimento ou lesão.

Nos cães, a deformação da espondilose ocorre mais frequentemente ao longo da coluna vertebral, na parte de trás do peito, e nas vértebras superiores da parte inferior das costas. Cães de raça mais velha e de grande por geração estão em maior risco de desenvolver espondilose deformação.

SINTOMAS

*Os pacientes são geralmente assintomáticos, o crescimento ósseo pode ser sentido tocando o seu animal de estimação antes de perceber mudanças no seu comportamento na sequência do crescimento

  • Fratura de esporas ou pontes pode causar dor
  • Rigidez
  • Movimento restrito
  • Dor

CAUSAS

Microtrauma repetida – pressão repetida sobre as mesmas articulações ou ossos, através de certos exercícios ou atividades
Traumas graves – o corpo responde ao tentar crescer um novo osso
*Predisposição para esporas de manada

DIAGNÓSTICO

O seu veterinário fará um exame físico completo do seu cão, incluindo um perfil bioquímico, uma contagem completa de sangue, uma urina, e um painel de eletrólitos, de forma a excluir ou confirmar outras doenças, como o cancro. Você precisará dar um histórico completo da saúde do seu cão, incluindo histórico de antecedentes de sintomas, início de sintomas, e possíveis incidentes que possam ter precipitado esta condição.
As imagens de raio-X do peito e do abdómen (vista lateral) são essenciais para o diagnóstico da deformação da espondilose. Os raios-X revelam osteophytes (pequenos crescimentos ósseos) nas vértebras, ou em casos mais avançados, um osteófito pode ser encontrado como uma ponte no espaço entre as vértebras.

O seu médico pode escolher entre vários outros tipos de testes para chegar a uma conclusão definitiva. Uma miolografia utiliza a injeção de uma substância radiopártica para obter uma imagem interior; A tomografia computorizada (TC) ou a ressonância magnética (Ressonância Magnética) também são opções. Estes procedimentos podem ajudar o seu veterinário a encontrar uma espora óssea que pode estar a pressionar a medula espinhal ou os nervos do seu cão (levando a reações neurológicas).

TRATAMENTO

faja para el dolor de la espalda de perroNormalmente, os pacientes com espondilose deformante não apresentam sintomas externos anormais do crescimento ósseo inicial. Deve ser realizado um exame neurológico para descartar uma patologia da coluna vertebral que requer cirurgia. Caso contrário, se o crescimento atingir o ponto de danificar os nervos e o tecido, e o seu animal de estimação sofrer dores intensas, ou se o seu veterinário tiver decidido uma solução cirúrgica, o seu cão será hospitalizado. Em circunstâncias normais, quando os danos no corpo são mínimos, e o seu cão sente pouco desconforto e dor, a condição será tratada em ambulatório, com repouso rigoroso e analgésicos prescritos para tratamento domiciliário. Os medicamentos para a dor são administrado após as suas refeições. Para acelerar a recuperação e a partir de quatro dias após a intervenção pode utilizar casacos térmicos ou cintas da coluna para cães (consulte o seu veterinário). A acupuntura também pode fornecer alívio da dor para alguns animais.

VIDA E GESTÃO

Dependendo da gravidade dos sintomas, o seu veterinário irá agendar check-ups para acompanhar o progresso do seu cão. Só dê analgésicos quando o seu cão apresentar sinais de desconforto (após uma refeição), e apenas na quantidade exata prescrita, a menos que o seu veterinário lhe diga o contrário. A overdose de drogas ou drogas é uma das causas mais comuns de mortes não intencionais em animais de estimação. Você precisará fornecer um lugar seguro e tranquilo para o seu cão descansar, longe de outros animais de estimação e crianças ativas. Durante este tempo, limite-se a caminhadas lentas pelo bairro. Quando o seu cão não mostra sinais de desconforto durante várias semanas, pode lentamente voltar à atividade normal.

Fonte: Venfido
www.ortocanis.com

O que é o sistema proprioceptivo?

É o sistema pelo qual o cérebro recebe informações sobre a posição e o movimento das partes do corpo entre si e em relação à sua base de suporte. Isto é produzido através de uma série de recetores distribuídos por todo o corpo. A sensibilidade proprioceptiva é extraordinariamente importante na vida de relacionamento do cão.

No âmbito do exame de fisioterapia (musculoesquelético ou neurológico), o sistema proprioceptivo será sempre avaliado para ter uma referência e orientações para estabelecer o plano de tratamento. Às vezes, as mesmas técnicas que nos ajudam a valorizar o animal, servem-nos mais tarde para o reabilitar.

Reações posturais

  1. Reação posicional ou propriocepção consciente
    1. Coloque a face dorsal do membro em contacto com o chão. O animal deve retificar instantaneamente a posição normal.
    2. Coloque o membro do animal em rapto ou adução. Neste caso, também deve retificar instantaneamente para a posição inicial.
    3. Coloque uma folha de papel para que o cão apoie as almofadas. Mova a folha lateralmente nos membros torácicos e caudolateralmente para os membros pélvicos. Ao perceber o estímulo do movimento, é necessário reposicionar o membro corretamente.
  2. Hemistation
    1. Deve pegar nos membros de um hemibody e mover o animal para o lado oposto para ver se é capaz de suportar o equilíbrio.
    2. No caso de lesões músculo-esqueléticas, também é possível avaliar o membro afetado tomando apenas o membro oposto ou um dos anteriores e avaliando a reação de equilíbrio apresentada pelo animal (uniestación)
  3. Hemimarcha
    1. É exatamente o mesmo exercício que a hemestação apenas que o animal terá que mover-se sobre os dois membros.
  4. Teste de salto
    1. Segurando o animal e impedindo-o de suportar três dos seus quatro membros, mova-o lateralmente. Vais ter de fazer pequenos saltos.
  5. Teste de caminhão
    1. Faça-o mover-se com os membros torácicos segurando-o através da área pélvica. Faça-o com a cabeça do animal em posição elevada para evitar que procure onde colocar as mãos.
  6. Teste de reação de impulso postural extensor
    1. Pegue o animal pelas axilas na posição vertical e desça-o lentamente. Quando os membros traseiros tocarem o chão, vai estendê-los caudalmente num movimento de marcha, antecipando a deslocação.
  7. Reação visual e táctil
    1. Segurando o animal, ele se aproxima da borda de uma mesa até que ele toca nele. Devia colocar o seu membro na mesa imediatamente. Vamos avaliar a sensibilidade visual e proprioceptiva. Deve ser repetido cobrindo os olhos, para que valorizemos a sensibilidade táctil e proprioceptiva.

Equilíbrio na época e dinâmica

O equilíbrio do animal pode ser avaliado provocando algumas das reações posturais acima mencionadas ou criando desestabilizações do animal em estática e durante a caminhada.

Durante a caminhada pode tocar em pequenos lados para ver como reage. Se o animal tiver o seu equilíbrio correto, continuará a andar em linha reta sem modificar o seu estado ou o seu ritmo.

Coordenação

A coordenação pode ser avaliada através de círculos, oitos, subidas, descidas, mudanças de velocidade, diferentes terrenos com pequenas dificuldades pelo meio.

 

Escrita ortocanis

[email protected]

A capacidade de um cão se mover e realizar as suas atividades diárias depende da capacidade do cérebro, da coluna, dos nervos e dos músculos de coordenarem-se em conjunto.

Este complexo sistema de comunicação troca informações quando os nervos no cérebro enviam mensagens para o corpo sobre o ambiente exterior, e o corpo envia mensagens ao cérebro sobre o que está experimentando no ambiente. Estas mensagens são transmitidas através dos nervos da medula espinhal, que estão incrustadas na coluna vertebral ou na coluna. Juntos, os nervos do cérebro e da medula espinhal compõem o sistema nervoso central. O trauma em qualquer parte das vias nervosas pode levar a uma comunicação deficiente, ou uma total falta de comunicação entre o cérebro e o corpo, levando à incapacidade de coordenar os movimentos do corpo.

Silla de ruedas para perro

A coluna vertebral é composta por um conjunto de 24 ossos chamados vértebras, que são separados uns dos outros por pequenas almofadas chamadas discos intervertebral. Juntos, as vértebras e os discos intervertebral protegem a coluna vertebral de danos. O trauma nas vértebras ou discos pode criar vulnerabilidade nos nervos da medula espinhal, levando a novas perturbações para a via neural.

Quando um cão experimenta paralisia, é muitas vezes porque a comunicação entre a medula espinhal e o cérebro foi interrompida. Em alguns casos, o cão não é capaz de mover as pernas, um estado de paralisia total, e em outros casos, pode ainda haver alguma comunicação entre o cérebro e a coluna vertebral, e o cão só vai parecer fraco ou ter dificuldade em mover as pernas, uma condição conhecida como: paralisia parcial. Há também casos em que um cão pode ficar paralisado nas quatro pernas (tetraplégia), e em outros, o cão pode ser capaz de controlar o movimento em algumas das suas pernas, mas não em todas. Isto é determinado pela localização do trauma, ocorrendo no cérebro, espinha, nervos ou músculos.

Algumas raças são mais propensas que outras. Os cães que estão perto do chão com costas alongadas, como dachshunds e bassets, são geralmente afetados por ruturas de discos vertebrais, colocando pressão na medula espinhal, uma condição conhecida como doença do disco intervertebral. Algumas raças são geneticamente predispostas a uma condição chamada mielopatia degenerativa (MD), uma doença que ataca os nervos nas costas de cães mais velhos (mais de sete anos). É uma ação lenta, uma desordem progressiva que eventualmente leva à paralisia das patas traseiras. As raças afetadas por esta doença são o corgi galês, o pugilista, o pastor alemão, o recuperador de Chesapeake Bay e o setter irlandês.

Sintomas:

  • Não é capaz de mover as quatro pernas (tetraplégia)
  • Não é capaz de mover as patas traseiras (paraplegia)
  • Caminha com as pernas dianteiras enquanto arrasta as patas traseiras
  • Pode haver dor no pescoço, na espinha ou nas pernas.
  • Não posso urinar
  • Não é capaz de controlar a urina, a urina pingando
  • Não é capaz de controlar a defecação
  • Obstipação

Causas:

  • Mielopatia degenerativa canina (MD) – relacionada com o gene do pastor alemão, pugilista, corgi galês, recuperador de Baía de Chesapeake, dos 7 aos 14 anos; a causa é desconhecida
  • Deslizamento dos discos na parte de trás – doença do disco intervertebral
  • Espondiscite – infeção bacteriana ou viral nos ossos da coluna vertebral (vértebras)
  • Infeção ou inflamação da coluna vertebral
  • Destemperar
  • Meningomielite – infeção viral ou bacteriana do cérebro, levando à má comunicação dos impulsos nervosos
  • Polimiose – infeção ou inflamação nos músculos
  • Polineurite – inflamação dos nervos
  • Embolia – obstrução do fluxo sanguíneo para a espinha
  • Embolia aórtica – obstrução do fluxo sanguíneo para as pernas traseiras
  • Tumores ou cancro na espinha ou no cérebro
  • Paralisia do carrapato como resultado de picadas de carrapato
  • Febre da Montanha Rochosa
  • Botulismo – toxinas bacterianas
  • Myasthenia Gravis – fraqueza muscular severa
  • Embolia fibrocartilagina o fluido dentro de um disco ferido entra no sistema arterial e instala-se na medula espinhal, criando uma embolia permanente, ou bloqueio, é irreversível, mas não progressivo.
  • Hipotiroidismo – Baixo nível de tiroide
  • Lesão na coluna vertebral
  • Malformação da coluna vertebral ou vértebras

Diagnóstico:

Você precisará dar um histórico completo da saúde do seu cão, o aparecimento de sintomas e possíveis incidências que podem ter levado a esta condição, tais como picadas de carrapato, ou lesões recentes de saltar ou cair. Durante o exame físico, o seu veterinário prestará muita atenção ao quão bem o seu cão é capaz de mover as pernas, e como ele é capaz de responder a testes de reflexo. O veterinário também vai testar a capacidade do seu cão de sentir dor nas quatro pernas, controlo da cabeça, coluna e pernas para sinais de dor e alerta ao toque.Perro atropellado y rescatado por perrera de barcelona

Todas estas coisas ajudarão o seu veterinário a localizar o lugar na espinha do seu cão, onde nervos ou músculos estão com problemas. Os testes laboratoriais básicos incluem uma contagem completa de sangue, um perfil bioquímico e uma ópsia, que pode determinar se o seu cão tem uma infeção bacteriana, um vírus ou uma reação toxina, que está a interferir com as vias nervosas. Imagens de raio-X da coluna vertebral podem mostrar evidências de uma infeção, uma malformação das vértebras, ou uma hérnia discal que está pressionando contra a medula espinhal. Outras condições que podem levar à rutura das vias nervosas podem ser evidentes num raio-X, tais como tumores, obstruções ou nervos inflamados.

Em alguns casos, o seu veterinário pode encomendar um raio-X especial chamado mielograma. Este processo usa uma injeção com um agente de contraste (corante) na coluna vertebral, seguida de imagens de raio-X que permitirão ao médico ver a medula espinhal e as vértebras com mais detalhes. Se estas técnicas de imagem não forem úteis, o seu veterinário pode encomendar uma tomografia computorizada (TAC) ou uma ressonância magnética (Ressonância Magnética) do cérebro e da coluna do seu cão, ambas fornecem uma imagem muito detalhada. Em alguns casos, o seu veterinário pode recolher uma amostra do fluido em torno da coluna vertebral, para análise, ou amostra dos músculos ou fibras nervosas para uma biópsia. Estes testes podem determinar a presença de uma infeção no cérebro ou na coluna.

Tratamento:

O tratamento dependerá da causa da paralisia. Se o seu cão não conseguir andar, urinar ou defecar sozinho, provavelmente será internado no hospital enquanto o veterinário trabalhará para fazer um diagnóstico. A partir daí, o seu veterinário acompanhará a recuperação e o progresso do seu cão. Se o seu cão estiver com dores, será medicado para ajudar a controlar a dor, a bexiga é esvaziada várias vezes por dia por cateter, e seu cão será fisicamente movido para se certificar de que ele não recebe úlceras de ficar em um lugar por muito tempo. Existem vários produtos que o ajudarão a passar o tempo ainda sem ser danificado, como colchões. Se a causa da paralisia for uma infeção ou um disco hérnia, a circunstância será tratada com medicação, cirurgia ou terapia. Medicamentos anti-inflamatórios que podem ser naturais e específicos, como o imflamex , serão usados para reduzir a inflamação dos nervos. Tumores ou bloqueios de fluxo sanguíneo podem ser reparados cirurgicamente, dependendo da vulnerabilidade da localização. Alguns cães paralisados recuperam-se muito rapidamente. Dependendo da gravidade da doença, o seu cão pode ficar no hospital até que possa andar, ou o seu veterinário decidirá enviar o seu cão para casa com um guia para prestar cuidados e recuperação em casa. O seu veterinário irá estabelecer um plano para rever o progresso do tratamento do seu cão e ajustá-lo em conformidade.

vida e muito!

perro-rodilla-en-la-calleO seu veterinário vai ajudá-lo a fazer um plano para os cuidados do seu cão em casa. Ocasionalmente, o cão pode resistir aos cuidados devido à dor, mas os cuidados assertivos e suaves ajudarão a diminuir as reações do medo.

É importante que cuide bem do seu cão para que ele possa recuperar completamente. Siga cuidadosamente todas as instruções do seu veterinário. Se o seu veterinário tiver prescrito medicação, certifique-se de administrar todo o tratamento, mesmo depois de o seu cão parecer ter recuperado completamente. Na maioria dos casos, uma cadeira de rodas canina pode ser de grande ajuda, quer para o processo de reabilitação, quer como um simples meio de transportar a parte imóvel do animal. A maioria dos cães de cadeira de rodas adapta-se muito bem e continuam a desfrutar da sua vida.

Orthocanis

Ayudas para perros con artrosis

fonte:VenFido

Tratamento do higroma do cotovelo

O higroma do cotovelo é uma doença que afeta principalmente grandes cães de cabelo curto, tais como Big Danes, Galgos e Dálmatas. Em cães com higroma do cotovelo, um saco cheio de fluido aparece em um ou ambos os cotovelos dos cães. Em casos mais raros, os higromas podem desenvolver-se no hock. Em muitos casos, os higromas do cotovelo não causam dor ou dificuldade. No entanto, podem ficar infetados, o que pode ser doloroso para o cão e requer tratamento. Outros animais suscetíveis ao desenvolvimento de higromas são cães que não estão muito ativos ou estão a recuperar de doenças ou lesões.

Causas
Os hygromas desenvolvem-se devido a um trauma recorrente no cotovelo ou cotovelo de um cão. Por exemplo, descansar constantemente sobre madeira, cimento ou outras superfícies duras pode causar stress na articulação e causar higroma. Esta condição afeta principalmente os cães grandes, uma vez que há um maior peso nas articulações do cotovelo quando estão deitados.Hygroma codo

Ligadura
Em alguns casos, a ligadura dos cotovelos de um cão pode ajudar a evitar que os higromas piorem. As ligaduras evitam o contacto com superfícies duras e, por sua vez, evitam problemas causados pelo hgroma. Além disso, alguns produtos, como o protetor do cotovelo canino ou o protetor do joelho do cão , impedirão que o higroma tenha contacto adicional com o solo duro. Pergunte ao seu veterinário como pode ajudar o seu cão.

Drenagem
Alguns veterinários recomendam que o líquido do hgroma seja drenado com uma agulha ou seringa. Tirar o fluido não é considerado um tratamento eficaz porque a agulha pode causar uma infeção. Além disso, a drenagem só pode melhorar a condição temporariamente. Se o cão continuar deitado em superfícies duras, o higroma tornar-se-á maior, ou seja, a drenagem terá de ser feita regularmente.

Cirurgia
Alguns veterinários podem recomendar a cirurgia para tratar o higroma do cotovelo, especialmente nos casos em que há infeção ou quando o hgroma tiver ulcerado. Na cirurgia, a pele deve ser drenada e removida. Uma vez que os hgromas podem crescer bastante grandes, pode ser necessário fazer enxertos de pele para cobrir a área afetada. A cura da cirurgia leva cerca de um mês, e o cão terá de usar uma tala durante a recuperação para proteger a área afetada.

Prevenção
A melhor maneira de evitar que o seu cão desenvolva um higroma do cotovelo, ou para evitar que um existente se agrave, é proporcionar ao cão uma superfície macia para que ele descanse e durma. Se não houver área alcatifada disponível, faça do cão uma cama macia e deixe-o onde gosta de se deitar. No caso de o cão estar inativo por estar a recuperar de uma doença ou lesão, faça-o levantar-se e mover-se (pelo menos o suficiente para mudar a posição em que se encontra) várias vezes ao dia.

Escrito por Anna Aronson

fonte: eHow

A osteoartrite canina é uma doença muito comum nos cães. Surge como resultado da evolução inevitável de uma articulação que envelhece ou se torna cada vez mais frágil devido a trauma ou malformação. Esta é uma condição muito dolorosa que precisa ser tratada imediatamente. Pode afetar todas as articulações do corpo, tanto as encontradas nas extremidades anteriores e posteriores, como as que formam a coluna vertebral. No caso dos cães seniores, o mais comum é que esta desordem afeta várias articulações ao mesmo tempo.

protector rodilla para perroA superfície articular é coberta por um tecido chamado cartilagem, que desempenha um papel muito semelhante aos amortecedores encontrados nos carros. Além disso, evita que o osso subjacente se deteriore devido à repetida fricção a que é sujeito por movimento contínuo. A osteoartrite é caracterizada por uma destruição progressiva desta cartilagem e por uma proliferação óssea anormal na borda das superfícies articulares conhecidas como osteófito, também chamadas de “bicos de papagaio” quando estão localizadas na coluna vertebral. As articulações afetadas perdem elasticidade, causam dor e impedem que o animal se mova normalmente.

Evolução da deterioração
Em regra, esta doença afeta, em primeiro lugar, as articulações altas dos membros: ancas e joelhos, ombros e cotovelos. Os sintomas são mais ou menos importantes dependendo do número de articulações afetadas. No entanto, há um sinal inequívoco que nos faz intuito de que o animal é afetado. A lameness geralmente manifesta-se quando o cão se levanta e começa depois de permanecer imóvel por muito tempo.

A dor leva o animal a evitar o apoio no membro afetado e, sendo impedido, para de correr e, claro, salta. À medida que evolui, a dor aumenta. Ao fazer certos movimentos, o cão emite pequenos gemidos, é até possível que o animal seja irascível e tende a apresentar agressividade quando tentamos manipular a articulação afetada.

Em casos mais avançados, a articulação pode ser parcialmente bloqueada, impossibilitando a realização de determinados movimentos. Neste ponto, o animal hesita em usar o membro doente. Além disso, esta falta de atividade conduz a uma deterioração significativa da musculatura que rodeia a articulação. Como resultado, a área doente começa a atrofiar, o que cada vez mais complica a sua utilização.

Dois tipos fundamentais
Regra geral, distinguimos dois tipos de osteoartrite: primário e secundário. O primeiro tipo afeta geralmente os animais idosos e aparece devido ao envelhecimento normal sofrido pelas articulações devido à passagem do tempo. Na verdade, é um desgaste progressivo e inevitável das cartilagens articulares. Normalmente, este tipo de osteoartrite afeta diferentes pontos ao mesmo tempo.

No que diz respeito à osteoartrite canina secundária, aparece como consequência de um fator de desencadeamento, o que faz com que a articulação afetada deixe de funcionar normalmente. Por exemplo, este tipo de osteoartrite pode aparecer devido a traumatismo – uma entorse, uma fratura, etc . – ou devido a uma malformação do parto, como displasia da anca.

Outra causa muito comum que causa o aparecimento de osteoartrite secundária é a obesidade. Se não controlar a dieta, o seu amigo pode ter um peso muito acima da média que encontramos na raça. As juntas não são feitas para suportar uma sobrecarga tão significativa de quilos, para que se deteriorem facilmente. Ao contrário da osteoartrite primária, a osteoartrite secundária pode afetar animais de todas as idades e, regra geral, geralmente afeta apenas uma articulação.

Emite um diagnóstico
O diagnóstico desta doença pode basear-se em três fatores: a história patológica do animal, o exame de marcha e a manipulação. Ao estudar a história, o veterinário deve ter em conta as antigas fraturas articulares, lesões que o animal sofreu há muito tempo, bem como possíveis entorses. Ao observar a marcha, o cão coxeia, mesmo que apenas ligeiramente e incipientemente, uma vez que a mansidão é um sintoma inequívoco da doença. Finalmente, ao manipular a área afetada, é muito possível que o animal apresente sinais de dor.

Muitas vezes, a região em que a articulação doente está localizada é geralmente um pouco deformada devido a osteophytes e atrofia muscular causada pela ausência de atividade física. Muitas vezes é detetado um estalo característico quando o movemos. Através do estudo radiológico, o especialista em saúde animal poderá determinar a gravidade da osteoartrite e estabelecer o tratamento mais adequado. Entre os possíveis tratamentos, destaca-se o aparecimento de
apoios especializados para alguns membros
que possam efetivamente combater a deterioração da qualidade de vida do animal. A utilização destes apoios é eficaz e tem provado em países como os EUA tratamentos tão inovadores como bem sucedidos, no entanto a sua utilização deve ser consultada com o veterinário ou fisioterapeuta animal.

Equipa orocanisa

Os cientistas britânicos conseguiram reverter a paralisia nos cães injetando-os com células extraídas do forro do seu próprio nariz.

Todos os animais do estudo sofreram lesões na medula espinhal que os impediram de usar as patas traseiras.

Investigadores da Universidade de Cambridge, Inglaterra, estão cautelosamente otimistas de que a técnica pode eventualmente desempenhar um papel no tratamento de pacientes humanos.

O estudo, financiado pelo Medical Research Council (MRC) e publicado no periódico de neurologia Brain, é o primeiro a testar o transplante em feridas de “vida real” e não em animais de laboratório.

Cientistas estrangeiros do forro do nariz dos animais são chamados células glia envolventes olfativas(OEC).

CÉLULAS GLIA ENVOLVENTES OLFATIVAS

A única parte do corpo onde as fibras nervosas continuam a crescer em adultos está no sistema olfativo.

As células envolventes da glia olfativa (OEC) estão localizadas na parte de trás da cavidade nasal e rodeiam os neurónios recetores que nos permitem cheirar e converter esses sinais no cérebro.

As células nervosas precisam de ser constantemente substituídas e isso é promovido pelos OCs.

Durante décadas, os cientistas têm pesado em que os OECs podem ser úteis na reparação da medula espinhal. Os testes iniciais com OEC em humanos sugerem que o procedimento é seguro.

Estes foram cultivados e reproduzidos durante várias semanas no laboratório.

Dos 34 cães de estimação que participaram no ensaio de prova de conceito, 23 receberam transplantes destas células no local da lesão e os restantes receberam uma injeção com um fluido neutro.

Muitos dos cães que receberam o transplante mostraram melhorias consideráveis e conseguiram andar numa máquina de exercícios com o apoio de um arnês.

Nenhum dos animais do grupo de controlo conseguiu reutilizar as patas traseiras.

Cautela e otimismo

A investigação foi uma colaboração entre o Centro de Medicina Regenerativa do MRC e a Escola Veterinária da Universidade de Cambridge.

O professor Robin Franklin, biólogo regenerativo do Instituto de Células STEM do MRC e do Wellcome Trust e um dos autores do relatório, disse: “As nossas descobertas são extremamente excitantes porque mostram pela primeira vez que transplantar estes tipos de células numa medula espinhal severamente danificada pode trazer melhorias significativas.”

“Esperamos que esta técnica possa restaurar pelo menos uma pequena quantidade de movimento em pacientes humanos com lesões na medula espinal, mas isso está longe de ser o facto de poderem recuperar todas as suas funções perdidas.”

O Professor Franklin diz que o procedimento pode ser usado em conjunto com tratamentos farmacológicos para promover a regeneração de fibras nervosas e bioengenharia para substituir as redes neuronais danificadas.

Nariz
Os animais receberam um transplante de células olfativas.

Os investigadores afirmam que as células transplantadas regeneraram fibras nervosas em toda a região danificada da medula espinhal.

Isto permitiu que os cães recuperassem o uso das patas traseiras e coordenassem os movimentos nas pernas dianteiras.

Mas não foram desenvolvidas novas ligações nervosas de longa distância como as necessárias para ligar o cérebro à medula espinhal.

De acordo com cientistas do MRC em humanos, isto seria vital para um paciente com lesões na medula espinhal que perdeu a função sexual e intestinal e o controlo da bexiga.

O Professor Goeffrey Raisman, Presidente da Regeneração Neural da Universidade de Londres, que descobriu células glia envolvor olfativas em 1985, diz: “Esta não é uma cura para lesões da medula espinhal em humanos, que ainda pode estar muito longe.”

“Esta não é uma cura para lesões na medula espinhal em humanos, que ainda pode estar muito longe. Mas este é o desenvolvimento mais encorajador em vários anos e é um passo significativo no caminho para alcançá-lo.”

Prof. Goeffrey Raisman

 

“Mas este é o desenvolvimento mais encorajador em vários anos e é um passo significativo no caminho para alcançá-lo.”

“Este procedimento permitiu que um cão ferido ande com as patas traseiras, mas o alcance de funções muito superiores que se perdem com uma lesão na coluna vertebral, como as da mão, função da bexiga, regulação da temperatura, por exemplo, são mais complicadas e ainda muito distantes.”

Jasper, um dachshund de 10 anos, é um dos animais que participaram no julgamento.

O dono may Hay disse-me que “antes do tratamento tivemos de transportar o Jasper num carro porque as patas traseiras eram inúteis. Agora anda por toda a casa e jardim e consegue acompanhar outros cães. É maravilhoso.”

Fonte: BBC

A displasia do cotovelo é uma doença degenerativa muito comum em cães jovens. O cotovelo dos cães é uma das articulações mais congruentes e estáveis do corpo, permitindo, devido à sua complexidade, dois eixos ou graus de movimento supinação-pronação do antebraço e extensão da flexão. A sua complexidade é dada pela sua composição: articulação humeroradial, humeroulnar e, rádioulnar proximal.

A displasia do cotovelo foi inicialmente usada para descrever a não-união do processo anconeal (AUP). Atualmente, as dissecites osteocondrite (TOC) do condyle medial do úmero, o fragmento do processo coronóide (FPC) e, a incongruência do cotovelo (INC) também estão incluídas neste período. Quando um destes defeitos de ossificação ocorre num cotovelo, a inflamação origina e com o tempo é desencadeada uma osteoartrite na qual ocorre a degeneração da cartilagem; por isso, todas estas condições são geralmente associadas à osteoathrose desta articulação e são uma importante causa de dor e claudicação dos membros dianteiros em cães de raça grande e gigante, como o Pastor Alemão, Labrador, São Bernardo, Rottweiler, Mastiff napolitano, entre outros.

De origem genética multifatorial, especialmente em TOC e FPC. Afeta mais os machos do que as fêmeas e pode ocorrer uni-ou bilateralmente. A componente genética é a que tem maior influência embora, o aparecimento desta patologia também possa ocorrer devido a comida, peso, ambiente, qualidade dos ligamentos, muito exercício físico ou trauma.

Os primeiros sintomas podem ocorrer aos 4-5 meses quando o cão mostra intolerância ao exercício, mansidão ao iniciar um movimento ou após exercício prolongado. Há cães que não mostram sinais de afeição no cotovelo até idades avançadas onde o processo de osteoartrite é muito evoluído. Outros conseguem manter um grau normal de atividade ao longo das suas vidas.

O facto de fazer um diagnóstico radiológico prematuro permite estabelecer um tratamento adequado e evita a formação de osteoartrite que produz dor e limitação funcional do cotovelo ao longo da vida do animal. O diagnóstico pode ser complementado com testes de diagnóstico como TC ou Ressonância Magnética

A evolução depende do grau e tipo de lesão, mas geralmente é desfavorável sem cirurgia. O tratamento cirúrgico é bom se as alterações degenerativas na articulação ainda não ocorrerem. Em todo o caso, é necessário realizar uma boa reabilitação para:

  • Acelere o processo de recuperação
  • Eliminar dor e inflamação
  • Diminuir a mansidão
  • Manter e/ou melhorar a amplitude de movimento
  • Manter o tom muscular, a massa e a força
  • Minimizar ou abrandar os efeitos da degeneração articular – osteoartrite
  • Evite a compensação ao nível do pescoço, da coluna vertebral e das extremidades
  • Dar as capacidades máximas para que o animal esteja funcional e que, com uma boa qualidade de vida

O tratamento de fisioterapia varia consoante o animal e o estado da lesão. É importante começar o mais rapidamente possível com o tratamento para que seja eficaz e, para evitar secá-los como mobilidade reduzida e/ou dor crónica.

O animal passa por diferentes fases até à sua recuperação total. É essencial atingir gradualmente os objetivos fixados. O processo de recuperação é encerrado quando o animal é capaz de realizar atividades diárias.

Durante os primeiros três dias após a intervenção, é importante agir sobre a inflamação e a dor e prevenir a atrofia muscular e diminuir no arco articular. Para isso, são utilizadas técnicas passivas que reduzem a inflamação, produzem analgesia e ajudam a manter o tom, a massa e o arco da mobilidade. Entre estas técnicas estão a eletroterapia (TENS segmental e eletroestimulação muscular), massagem, mobilizações passivas e crioterapia (frio).

Nos cães ou cães mais velhos que não tenham sido intervencionados, os objetivos serão os mesmos que nos animais que passaram por uma intervenção. É importante eliminar a dor porque, com a dor não se pode trabalhar.

É importante desde o início para a massagem e mover o cotovelo afetado desde que não haja contraindicação veterinária e, respeitando em caso de fixação, o período de cura e união das partes fixas. Massajar e mover a área e o membro afetados ajuda a manter a mobilidade, evita a perda de massa e tom e trabalha os proprietários.

 

Uma mobilização suave combinada com diferentes técnicas de massagem ajudam a diminuir a inflamação e a reduzir a dor.

Com a TENS a nível segmental podemos produzir analgesia e diminuir a quantidade de fármacos administrados. Há animais que têm intolerância a certos fármacos que produzem analgésicos e com TENS a dor pode ser reduzida. O TenS também pode ser utilizado diretamente na área ferida ou operada, desde que não exista material de osteossíntese por baixo, uma vez que pode ocorrer uma queimadura interna.

A electroestimulação muscular ajuda a prevenir o aparecimento da atrofia e a manter a massa muscular e o tom. Com estímulos elétricos podemos estimular a condução nervosa.

No início e no fim da sessão é usado o frio, uma vez que tem propriedades que atuam na diminuição da resposta inflamatória, edema e dor.

A partir do quarto dia e durante as duas semanas seguintes, quando a inflamação e a dor desapareceram, é hora de introduzir exercícios ativos simples, como apertar as mãos ou pequenos passeios sobre uma trela para forçar o animal a fazer um suporte igual com os quatro membros e, assim, evitar que uma descompensação entre membros apareça por não ter um suporte correto no chão. Os passeios são um exercício que aumenta a duração até à recuperação total.

Uma vez removidos os pontos, o animal pode ser introduzido na água. As vantagens da água são usadas para melhorar a recuperação. A hidroterapia (esteira subaquática) facilita a estação do animal sem perda de equilíbrio e, graças à flutuação, sem ter de suportar todo o seu peso. Além disso, a flutuação permite que os animais com dor óssea e baixa massa muscular funcionem. A pressão da água exercida sobre o corpo do animal aumenta a sensibilidade e diminui as inflamações e os edemas. O trabalho na água, fitas subaquáticas ou natação aumenta à medida que o animal recupera. Além disso, com água, podemos recuperar o padrão motor, aumentar a massa, o tom e a força, trabalhar na capacidade respiratória e manter e/ou melhorar a mobilidade.

Uma vez que a fase aguda tenha passado de 48-72 horas e sem risco de infeção ou inflamação, pode ser introduzido
calor
que ajuda a elastificar os tecidos, diminui a dor e aumenta a vascularização entre outros.

A utilização de
placas
,
placas
,
bolas
e trampolins são importantes para trabalhar no equilíbrio, na propriocepção e, acima de tudo, na integração do membro afetado.

Já está na última fase, a partir de duas semanas, quando o cão integrou o padrão de marcha, são realizados exercícios para melhorar a qualidade de movimento. São exercícios ativos mais complexos para integrar o membro ou membros afetados. Com exercícios ativos e de propriocepção é possível aumentar o tom muscular, a massa e a força; coordenação e equilíbrio e amplitude de movimento são trabalhados. São utilizados trilhos com diferentes
superfícies, cones
,
barras
,
circuitos
, escadas e rampas para cima e para baixo (
escadaria com plano inclinado
).

Durante todo o tratamento de recuperação e em animais com osteoartrite desenvolvida é essencial reduzir o peso nas articulações dos cotovelos. Para o efeito
, são utilizados arneses de apoio especiais para cotovelos
. Além de diminuir o peso, a dor é reduzida e não dificulta o movimento, o animal sente-se mais confortável; a articulação está sempre protegida contra o desgaste e os golpes e ajuda a manter o calor que o animal emite, o que leva a um alívio da área afetada.

Em casa, deve ser tomado especial cuidado para os animais que sofrem de condições do cotovelo. Este cuidado é necessário durante e após o tratamento:

  • Evite pisos escorregadios
  • Evite rampas e escadas no início do tratamento em animais operados e em animais que fazem tratamento conservador. Uma vez reabilitadas, as rampas podem ser usadas
    para ajudar a entrar no sofá e no carro
    , uma vez que é recomendado que não o façam sozinhos, pode haver uma reincidência.
  • Recomenda-se que descansem em superfícies macias e limpas, mas que sejam firmes o suficiente para ajudar na incorporação do
    colchão térmico animal para cães
  • Mantenha a pele limpa e seca
  • Use
    placas especiais
    à sua altura para não esticar as articulações do cotovelo
  • Dieta correta e controlo de peso. O excesso de peso prejudica as articulações e gera mais dor para o animal

É muito importante criar uma rotina de exercício e ambiente para ajudar a manter o animal confortável e com qualidade de vida.

Equipa orocanisa

1. O que é displasia da anca?

É uma das doenças mais frequentes nos cães, especialmente nas grandes raças.

2. Qual é a doença?

Num desfasamento entre a cabeça do fémur e o acetábulo, isto é, uma má engrenagem da articulação da anca. A cabeça femoral está parcialmente fora do acetábulo e a anca não pode funcionar corretamente.

3. Afeta mais algumas raças do que outras?

Sim, a displasia da anca praticamente não existe em Galgos e, no entanto, é muito comum em San Bernardo e Mastines. É também bastante comum no Pastor Alemão, no Golden Retriever e no Rottweiler entre outras raças.

4. Como saber a gravidade da displasia?

Existem vários graus de displasia, mas também há diferentes maneiras de medi-lo, sendo o mais comum um raio-X que deve ser feito em cães perto do ano da vida. Este raio-X deve ser realizado numa posição muito específica e com os músculos relaxados, por isso é geralmente necessário anestesiar o cão.

5. Quais são os sintomas?

Normalmente, a maneireira em cães dos 5 aos 10 meses, mas pode permanecer sem problemas durante a juventude e a idade adulta e estrear-se com grandes problemas no período geriátrico. O movimento para os lados das ancas também pode ser indicativo da displasia da anca.

6. Tem alguma coisa a ver com osteoartrite?

São dois problemas diferentes, mas a displasia da anca, o desfasamento da articulação, pode causar ao longo do tempo que esta articulação degenera e acaba por sofrer de osteoartrite na anca. A osteoartrite é o que dói, especialmente na velhice. A displasia pode ser mais responsável pelo desenvolvimento da osteoartrite pelo cão.

7. Há tratamento?

Existem vários tratamentos, várias cirurgias antes do ano de vida e outros métodos, como a prótese da anca quando o cão é mais velho e terminou de crescer.

Temos também tratamentos paliativos, tais como anti-inflamatórios ou protetores de cartilagens (condroprotetores). Em casos muito graves pode colocar uma cadeira de rodas canina e o cão continua a andar, mas sem suportar o peso do seu peso.

Equipa Técnica Ortocanis.com

Eletroestimulação para potenciação muscular

A eletroestimulação é uma ferramenta muito útil para melhorar os músculos de um cão que sofreu uma lesão ou intervenção cirúrgica e, como resultado, tem atrofia muscular.

Podemos usar a corrente elétrica para estimular os músculos, melhorá-lo e fazê-lo funcionar, é especificamente indicado em casos de atrofia muscular, e especialmente em casos em que o cão não pode fazer trabalho ativo. Se o cão pode fazer trabalho ativo, a eletroterapia será um suporte, nunca a principal fonte de trabalho.

Forma do impulso que usaremos será o bicáfasico retangular e simétrico os principais autores indicam-no: Thepaut Mathieu 1992, Kramer 1984, Bircan 2002

pack-tens-para-perros

Os apartamentos de electroestimulação humana podem ser adaptados a cães electroestimulados sem muitos problemas, mas temos de garantir que podemos variar as frequências, e especialmente as amplitudes do impulso elétrico para se adaptar bem às características do cão.
Não existem bons estudos de Cronaxia em cães, os valores aproximados são 0,3 humanos, 0,2 Cavalos e em cães por estudos de valores semelhantes de intuição de menor profundidade;
Sawaya – Meallier 2006, Brodart 1998, Coarasa 1999, Ramon 2007
A Intensidade de acordo com Hultaman 1983, e Ogino 2002 devem ser elevadas com contração visível, sem atingir o limite da dor, mas desconforto. O cão deve suportar confortavelmente a sessão, mas os músculos devem trabalhar intensamente.

A frequência será marcada de acordo com o objetivo, vários autores validam esta opção: Pougheon 1992, Busko 1989, Vanderthommen 2002.

Objetivo Frequência Tempo de tratamento Tempo de espera
Relaxamento: 5 Hz Contínuo 0
Aquecimento: 5 Hz Contínuo 0
“Resistência”: 10-20 Hz 9 2
Atrofia: 33 Hz 6 6
Força: 50- 100 Hz 5 25
Força explosiva: 100-200 Hz 3 30

Os parâmetros podem variar ligeiramente de acordo com os casos individuais.
O tempo de descanso pode ser ajustado se estiver ativo, é aconselhável usar rampas antes de contração muscular forte.
A intensidade deve ser sempre a máxima com relativo conforto.
Tempo total entre 10 e 30 minutos dependendo da fase da lesão, fadiga excessivamente os músculos não ajuda a melhorar os músculos corretamente.

É importante ter um dispositivo que satisfaça todos os requisitos, se for utilizado por um centro de reabilitação canina ou por um hospital veterinário, recomenda-se um apartamento de secretária mais profissional e com ele podemos usar programas específicos para cada um dos nossos pacientes.

Recomenda-se igualmente a utilização de elétrodos de borracha e gel de contacto em animais com cabelo.

 

Equipa Veterinária de Orthocanis

Baner silla 728x90